1° Trabalhoversário — Um ano no Mercado de Trabalho

Um ano atrás, no dia 06/01/2018, eu estava pegando o ônibus para o meu primeiro dia de estagiário. Eu estava com muita vontade de finalmente começar minha própria produção como economista, a arte que eu aprendi a amar na minha universidade. Agora, um ano depois, percebo o quão diferente são esses dois mundos, e achei que seria legal compartilhar aqui alguns dos princípios que recolhi das minhas primeiras experiências.

1. Mantenha-se positivo

Acho importante não perder o ânimo com as coisas. Quando eu digo manter-se positivo, quero dizer tanto na vitória quanto na derrota. Se o seu modelo falha, pergunte-se o porquê. Sabendo o porquê, pergunte-se (ou a uma pessoa mais inteligente, ou à internet) como melhorá-lo. Aprenda os métodos e aplique-os até encontrar um resultado que o satisfaça. Comumente é dessa “insistência” positiva que surgem as boas ideias.

2. Organização é chave

Tenha uma agenda, anote tudo o que lhe for pedido, atenha-se às distrações úteis. Sem organização, é impossível trabalhar. Estabelecer prazos, tarefas claras e obrigações é sinequanon para ter uma rotina funcional. Além disso, descarte tudo aquilo que não seja de ajuda significante. Eu devo receber em média 80 emails externos por dia, incluindo pesquisas, dados de mercado, et cetera, desse total, eu devo ler uns 10–20 por dia que realmente me interessam ou considero informações chave. O essencialismo aqui é o caminho.

3. Busque críticas, suas e dos outros

Durante a sua produção, não se contente com o primeiro resultado. Avalie o seu trabalho como se fosse um terceiro, busque as falhas e as concerte, depois comece a buscar por possíveis falhas que terceiros possam cometer, e tente torná-las idiot-proof (Como estagiários, em muitas situações seremos nós os idiots). Isso poupa muito trabalho desnecessário e trapalhadas. Tendo realizado a tarefa, busque saber se as pessoas ficaram satisfeitas com o resultado. A opinião do usuário é sempre um valioso input em rotinas de melhoramento.

4. As pessoas são pessoas

Se o modelo de um colega é burro, não coloque assim. As pessoas são muito melhor acomodadas com o método socrático. Aponte primeiro algumas das qualidades do modelo, daí siga em indagações sobre a sua consistência e robustez. Com as dúvidas e incentivos coletivos corretos, é possível alcançar um resultado melhor. Existe uma diferença entre ser rude e ser sincero, muitas pessoas não percebem, então é sempre bom ser cuidadoso nas palavras.

5. Robustez

Quando tiver uma ideia, busque simular como esta desempenharia caso fosse acatada. Quais seriam suas consequências? Ela é robusta, i.e: teria dado um bom resultado se fosse colocada em questionamento em outros cenários? E mais importante, seja sincero consigo mesmo nestas situações. Nunca busque fatos para uma explicação, evite essas situações procústicas, isso é covardia intelectual, e quem incorre nelas é moralmente um covarde. Aos c

6. Compromisso

Se um modelo seu não funcionou, comprometa-se com aquilo, busque as razões da sua falha. Inclua esses fatores na sua análise e veja como o algoritmo performa. É somente através de tentativa e erro que se alcança um bom resultado. Apenas deixar de lado ou, pior ainda, negar compromisso com aquela argumentação, não vai te deixar mais inteligente, no pior dos casos, mais burro.


É isto. Eu sou grato por todas as experiências que tive, as boas, e as ruins, pois sem elas eu não teria internalizado estes princípios acima. Espero que conforme os anos venham, eu possa me tornar mais e mais maduro, mais e mais inteligente, e seja sempre uma boa pessoa. Nas palavras da Bíblia:

Esforcem-se para ter uma vida tranquila, cuidar dos seus próprios negócios e trabalhar com as próprias mãos, como nós os instruímos; a fim de que andem decentemente aos olhos dos que são de fora e não dependam de ninguém.”- 1 Tessalonicenses 4:11–12