Aeroporto


Aeroporto — milhares de pessoas logo cedo
correndo, embarcando, decolando, chegando.
Um monte de pessoas correndo, cansadas, exaustas,
para mais um dia que se iniciará.
Quais as histórias por trás de cada rosto sonolento?
O que elas carregam consigo?

Rostos felizes, pelo reecontro e descanso das férias.
Rostos aflitos, preocupados por algo.
Rostos ocupados, que não tiram os olhos do smartphone ou de alguma outra reunião “via call”.


Rostos descansados, voltando de um final de semana divertido.

Para cada um exergo uma história, uma situação, que de certa forma, enxergo em mim também. Me vejo em cada um deles, em cada ação árdua, pela batalha da vida, suada, tentando de alguma forma fazer o seu melhor. Para o bem de todos. Para o bem de quem se ama.

O dia começou cedo para essas pessoas também.


E de repente, consigo ver um padrão em todos eles. No comportamento, no modo de se vestir, de agir, de falar, de observar.

Questiono-me: somos todos bois na mesma boiada? Para a mesma direção? Isso, somente o tempo dirá.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.