Cibercultura: Análise e comentários sobre o livro Cibercultura de Pierre Lévy.

Em seu livro, P Lévy, aborda a correlação da sociedade no mundo tecnológico e suas relações em redes digitais (Ciberespaço), o que chama essa integração de Cibercultura.

Incrível o aspecto antropológico que Lévy aborda em seu livro, a formação da Cibercultura baseada no somatório de culturas individuais sem restrição de espaço compondo desta forma a inteligência coletiva.

Em uma das suas citações, Lévy aborda os conceitos de Ciberspaço e Cibercultura que ajuda no entendimento sobre o tema.

O ciberespaço (que também chamarei de “rede”) é o novo meio de comunicação que surge da interconexão mundial dos computadores. O termo especifica não apenas a infra-estrutura material da comunicação digital, mas também o universo oceânico de informações que ela abriga, assim como os seres humanos que navegam e alimentam esse universo. Quanto ao neologismo “cibercultura”, especifica aqui o conjunto de técnicas (materiais e intelectuais), de práticas, de atitudes, de modos de pensamento e de valores que se desenvolvem juntamente com o crescimento do ciberespaço. (LÉVY, 1999, p.17).

Desta forma, entende-se que neste contexto atual de evolução tecnológica dentro da sociedade e seus desdobramentos nas relações, torna praticamente infinito o volume de conteúdo gerado através da colaboração dos indivíduos. Por isso, a inteligência coletiva evolui em tempo real sem restrição ou limite.

Informações bibliográficas:

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999. https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=7L29Np0d2YcC&oi=fnd&pg=PA11&dq=cibercultura+p+lévy&ots=giTCEz_wbk&sig=E90g1SQdDAuDfqXKfEZa1ismWVo#v=onepage&q=cibercultura%20p%20lévy&f=false

SIMÕES, Isabella. Revista Eletrônica Temática. A Sociedade em Rede e a Cibercultura: dialogando com o pensamento de Manuel Castells e de Pierre Lévy na era das novas tecnologias de comunicação. Ano V, n. 05 – Maio/2009. http://www.insite.pro.br/2009/Maio/sociedade_ciberespaço_Isabella.pdf

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.