Dia 0, a viagem — #diarioDeBordo

DISCLAIMER
Sou um desenvolvedor brasileiro e vim passar 3 meses em Porto, Portugal. Continuo trabalhando na Jusbrasil, porém remotamente neste período; esse post faz parte do meu #diarioDeBordo (série sobre essa experiência de vida)

Seja bem-vindo ao meu #diarioDeBordo. Hoje vou contar o prefácio dessa experiência. Vem comigo e deixa sua opinião no final ;)

Aqui na Jusbrasil falamos sobre morar fora desde que me conheço por gente (e quando digo falamos, no plural, é porque é de fato muita gente). Em 2014 tive a oportunidade de passar 10 dias em #Amsterdam e fui conhecê-la com o real intuito de me mudar. Voltei de lá com um pensamento de certeza: "Vou morar na Europa."

Quando retornei a Salvador, chamei meus colegas para conversar sobre os 10 dias lá, o que tinha gostado e o que não tinha (noitadas não vão até o amanhecer :/) e claro, para responder a pergunta: "E aí, vai pra lá?"; minha resposta era clara:

Não quero sair do Jusbrasil. Quero ir pra lá (Europa) com o Jus.

JusAbroad

Começamos então um plano de estudo para viabilizar nossa ambição de morar fora. Escolha de país, checagem de vistos, tributos, facilidades, dificuldades, etc… Acabamos os estudos no final de 2014, com tudo pronto e possibilidade de ser iniciado a qualquer momento. País escolhido? Portugal. Mas tá, por que então só agora (3 anos depois)? Resumindo: Precisávamos manter o foco em outras coisas e a energia para esse projeto seria muito grande. Escolhemos esperar.

Outubro de 2016, retorna à família Jusbrasileira o mestre Inácio Nery, nosso eterno Chief Happiness Officer (InaCHO). De Portugal, Ina aproveita pra ajudar a desenrolar o projeto JusAbroad. De lá pra cá conseguimos muita coisa; efetuamos o nosso registro de empresa em PT, já temos gente trabalhando remotamente do Porto e, finalmente, consegui me organizar para ir.

Dia 21 de Abril de 2017

Meu game-changing. Quando comprei a passagem, embarcaria no dia 21 de Junho. Não tinha mais volta. Apesar desses 60 dias separando a compra e o embarque, tudo passou num piscar de olhos. Não sou, nem um pouco, ansioso com as coisas que determino na vida. Sei ser paciente, sei aguardar. Mas dessa vez foi diferente; a ansiedade tomou conta de mim, porém, ao invés daquele efeito de esticar o tempo, ela o encurtou.

Cada dia que passava pareciam minutos ou horas, apenas. E eu ficava mais nervoso e ansioso porque tinha que resolver tudo: o que eu faria com meu aluguel? Minha documentação estava em dia? Quando meu passaporte vencia? E como fluiria minha comunicação com o time? E o aluguel em Portugal? Mercado? Internet?

Quando coloquei no papel pareciam poucas coisas, mas quando comecei a executar, era como se elas nunca fossem terminar! Mas resolvi. Consegui dar conta de tudo. Aluguel de Salvador, de Portugal, internet fixa, internet móvel, valor médio de mercado, enfim… tudo (e cada coisa aqui vale um pequeno texto)!

Despedidas

Quando faltava apenas 1 semana para minha ida, um sentimento bem ruim tomou conta de mim: um misto de saudade dos meus com medo dos novos. Mesmo sabendo que era apenas uma experiência finita, com data de volta, eu não conseguia controlar meus sentimentos. Eu queria abraçar todo mundo.

Falhei. Falhei miseravelmente em abraçar todos aqueles que eu queria. Durante essa última semana eu acordava num dia querendo beber com meus amigos e no outro sem querer ver ninguém, sem querer nem viajar.

Porém, graças aos mais próximos, consegui fazer uma série de despedidas :) Bebi com a família Jusbrasileira, com os "amigos do culto", com os da infância, dancei forró com os amigos-irmãos, com as paqueras e as ex (sim, as ex), dei um abraço apertado naqueles amigos que valorizam mais o ser que o ter, e disse até um au revoir a uns amigos que foram para Cape Town.

Embarcando para a viagem

Chegou o dia. Consegui dormir 2h antes de me arrumar para ir ao aeroporto. Como escolhi a forma mais barata para vir, vim por Madrid. Não consegui um vôo direto de Salvador então meu plano de vôo era:

Salvador → São Paulo (GRU) → Madrid → Porto, Portugal

Vôo SSA — GRU

Bom demais :) Era uma aeronave nova da Avianca, um Airbus A320, com espaço confortável entre as fileiras, cadeiras confortáveis com tomadas (!!!), um sanduíche com café e como o vôo é rápido (2h), cansaço foi ZERO. Ponto ruim? Sempre tem né… dessa vez foi um atraso no vôo que achei que me faria perder a conexão :/ 2 passageiros despacharam as malas e não embarcaram (OS OMI-BOMBA, ÇOKOHO!). O vôo atrasou em 30 minutos, cheguei em cima da hora da conexão, mas consegui, tudo certo!

Vôo GRU — MAD

Triste. Sério, triste. Primeiro ponto: tomadas, cadê as tomadas que tinham no vôo doméstico e nesse não?! A aeronave era uma Airbus também, porém mais antiga: A332 (330–200). A duração do vôo foi de 10h; serviram um almoço logo que decolamos, por volta das 15h30 e aparentemente esqueceram que pessoas precisam comer. Deram um sanduíche frio com pão borrachudo faltando 1h para a aterrissagem (quase 8h depois do almoço). Ponto bom? Teve… a tripulação era solicita e engraçada. Um rapaz ficou brincando com um bebê que estava na fileira do meu lado pra evitar choro; tomei uns 10 copos de café pra disfarçar a fome e as bebidas eram "liberadas" (deu pra tomar uns sucos e uma "taça" de vinho durante a viagem)

Vôo MAD — OPO

Como sou extremamente organizado (#sqn), errei minha chegada em Madrid e comprei meu vôo para Porto pro dia seguinte, então tive que me aventurar por aqui por 24h :) Mas falemos sobre meu último vôo desse "dia 0".

Escolhi a Ryanair, companhia que vende voos baratos, para operar esse meu trajeto (vou falar sobre o processo de compra até o embarque da ryanair em um outro post). O vôo foi surpreendentemente tranquilo. Achei que, por ser low-cost, seria piores que os voos domésticos brasileiros que já estou acostumado, mas me surpreendi, foi bom. De ruim apenas dois pontos:

  • O assento não reclinava, mas, como o tempo de vôo foi de 50 minutos, não pareceu desconfortável.
  • E fui levado a crer que teria café/água gratuito no vôo: ledo engano.

No embarque divulgaram a mensagem "Confira suas bagagens, tome seu assento, relaxe e aproveite um delicioso café". Acreditei mais ainda depois da aeromoça me oferecer o café com tanto empenho. Bobinho, 3 euros à menos na carteira por um café americano (nem era espresso :/).

CHEGUEI, PORTO ❤

Espero que essa descarga de sentimentos faça algum sentido pra vocês, prometo fazer textos mais objetivos sobre pontos importantes que descrevi aqui no artigo, como: