Se eu entendi, devemos deixar os erros dos agentes públicos a cargo das instituições, no caso a…
Rodrigo Vergara
11

Rodrigo, valeu pelo comentário construtivo.
Mas acho que nos dois comentários teve alguma interpretação equivocada sobre o que eu escrevi.
Primeiro, nunca disse que quem nunca reclamou da Justiça não o pode fazer agora. 
Depois, sua dedução sobre eu achar que ja julgamentos subjetivos (podemos chamar de políticos) também não está alinhada com o texto. Pelo contrário: certamente haverá erros (por má-fé ou por imperícia) e por isso é importante haver controle (das instituições, fortalecidas pela sociedade).
A “Política” a que me refiro em letra maiúscula não é essa “política” a que vc faz referência como a subjetividade política do juiz: é à Política como dimensão social, incluindo as estruturas, o poder, a mobilização etc.
Ela não pode ser voltada contra cada agente público (nem privado) que a contraria! Precisa, sim fortalecer as instituiçoes.
Se o Juiz errou, que seja revisto e consertado, nos infindáveis recursos.
Mas coagi-lo, constrange-lo, enquanto pessoa física e não a institucionaldiade que representa pra mim é covardia.

Com relação ao Lula, ninguem questiona as credencias dele para ser Ministro. Mas não podemos olhar com olhos do formalismo jurídico para uma decisão política: no direito , há a verdade ficticia e essa é uma garantia importante. Por aqui, ela seria chamada de vista grossa. Vou escrever sobre isso e a gente segue o debate.
Abração!

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Rafael Poço’s story.