NÃO SOFRI ACIDENTE, CALMA, TÁ TUDO BEM

Mas quase morri viajando de ônibus.
Não sei se de rir ou de vergonha.
Mas foi quase.

Um menino de 16 anos proferiu falas lindas e inteligentes durante a viagem de 14 horas. Essas são algumas que lembro:

- Uma amiga minha virou sapatona, mano. Isso é muito triste. 
- Hoje em dia tá todo mundo virando viado.
- Esse negócio de virar sapatona é só pra chamar a atenção. Um monte de menino aí, não entendo isso. 
- Essas menininha tão assim porque os homens não tão tratando elas direito, que nem mulher.
- [Para a prima dele] Se você virar sapatona, te dou um murro na cara, na moral.
- Se algum gay der em cima de mim eu já chego espancando, tá ligado.
- Não, mas eu respeito.
- Daqui a dois anos (com 18) quero ser pai. Tô falando: vou engravidar uma mina. Mó daora ser pai, pô.

Toda hora ele puxava assunto comigo perguntando coisas totalmente inúteis.
“Você tá conseguindo dormir?”
“Vocês são irmãos? Amigos? Vocês se parecem” [pro cara que tava do meu lado]

MULEQUE CHATO, INFANTIL, BURRO.
Me deixa em paz, mano.
Vocês sabem que eu nem sempre sou legal.
Muitas vezes de propósito.
Pra pessoa perceber mesmo.
E ele ainda ficava cantando alto no ônibus, fazendo gracinha de madrugada.
Me senti no primeiro dia de aula da 4ª série.

Teve uma hora que ele mandou a prima e um cara lá pararem de conversar porque o pessoal tava querendo dormir.
Virou pra mim e disse:
- Ow, você quer que eu peça pra eles pararem de falar?
- Não. Se você parar já tá ótimo.

A prima dele ouviu e fez “viiiiiiiiiiiiiiiiiiiishhhh”.
Ambos começaram a discutir.

Raft tenta dar moral, nada acontece, feijoada.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.