UM RATO AQUI NO CORREDOR DO PRÉDIO???

Não era o Mickey.

Interfonei na hora!

As primeiras reações são nojo e medo dele entrar em casa ou de encostar em você.

O porteiro disse que mandaria alguém pra dar um jeito.
De alguma forma me arrependi.
Não queria que matassem o bichinho, coitado.
Talvez eu pudesse ter feito algo, mas a encomenda já estava feita. 
Ouvi vassouradas e barulhos provavelmente comuns em assassinatos de ratos.
Meu silêncio o matou terrivelmente.
Fui cúmplice.
E dos maus.

É muito triste pensar que os ratos não têm culpa do asco que atribuímos a eles.
São assim e nada podem fazer a respeito.
Enquanto procuram alimento na natural tarefa de rato, devem ainda temer o boato de que os humanos vão lhes entender mal e tentar eliminá-los.

Não to aqui exagerando sobre a morte de um rato.
Eu tô triste porque percebi que MUITA GENTE é esse rato.
Pensem nisso.

Dizem que transmitem doenças, que são cheios de bactérias, que encostam em lugares sujos.

Exatamente como a gente.

Só que incomparavelmente menos nojentos.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.