esse, eu juro, não é sobre você

eu li em algum lugar, nem lembro onde, que o nosso cérebro interpreta algumas dores emocionais como dores físicas. essa informação pode muito bem ser falsa, visto que a quantidade de coisas que eu sei sobre cérebros vem de conversas casuais com um amigo meu que ama cérebros.

eu não sei nada sobre cérebros.

eu digo isso porque passei um tempo considerável tentando entender como diminuir essas dores físicas que eu havia esquecido que podiam ser tão físicas assim.

eu comecei a tomar chás numa atitude muito pragmática. eu precisava de qualquer tipo de ajuda pra me concentrar. comecei a tomar chás porque eu odiava chás e isso era uma das coisas que você não sabia sobre mim. o desafio era pesquisar sobre chás e aprender a gostar um pouco deles. hoje, tenho chás que tomo quando acordo, chás que tomo pra estudar, chás pra dormir, chás pra ficar mais calmo, outros que são só muito gostosos e eu nem sei qual o benefício que eles trazem.

(aqui, nesse ponto do texto, estou completamente insatisfeito com o que escrevi e me pergunto repetidas vezes o motivo de não conseguir passar pro papel algo que parecia mais formulado na minha cabeça.)

o que eu queria dizer, na verdade, é que isso não é sobre você. é sobre mim, sobre os chás e sobre eu ter descolorido meu cabelo numa atitude muito estranha a quem eu penso que sou. é sobre precisar me compreender outra vez. voltar o olhar pra dentro e entender que eu precisava que minha imagem fosse desfocada. eu ia dizer profanada, mas não acho que essa radicalidade exista aqui.

eu bebia meus chás, dia após dia, e a dor foi indo embora. foi como se aquelas plantas realmente estivessem curando feridas dentro do meu estômago. a reza curava o peito. lembro de suplicar em meio às cobertas pra que oxum me lembrasse que a tristeza passa.

os chás eu continuo bebendo. a cor natural do meu cabelo já aparece na raiz. a dor foi embora junto com você.

tem muita coisa diferente comigo. não são os chás, nem o cabelo, mas também já não é aquilo que poderia ter sido e não foi. esse é sobre mim, eu juro. é sobre amor, sim. mas não sobre você. é sobre como eu gosto muito de chás e isso você nunca soube.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.