Uma dose de amor próprio, por favor.

Imagem retirada do Pinterest

Certo dia, eu estava sozinha em um restaurante bebendo vinho. Enquanto uma música de amor tocava ao fundo, decidi observar as pessoas ao meu redor e notei que eu não era a única observadora ali. Os casais a minha volta me olhavam como se estivesse faltando algo em mim.

A principio, pensei que tivesse alguma coisa errada acontecendo. Será que meu dente estava sujo? ou o meu cabelo bagunçado? talvez eu estivesse com uma feição de bêbada? na verdade, não havia nada de incorreto. O único “problema” era estar sozinha em uma sexta-feira à noite.

As pessoas me olhavam indignadas, como se aquilo fosse imperdoável em meio a tantos casais, aparentemente, apaixonados. É necessário que elas entendam a diferença entre: estar sozinho e ser sozinho.

Naquele momento, tudo que eu sentia dentro de mim era satisfação, mas não aquela de quando comemos e ficamos saciados. A minha satisfação era de estar feliz sozinha, eu me sentia completa e diferente. Provavelmente, eles pensaram que se estivessem no meu lugar seria como estar jantando com a mais pura solidão.

Será que eles já ouviram falar em amor próprio? Quando esse sentimento existe, a sensação é de plenitude. É importante amar alguém, mas antes se ame. O outro não é o único responsável pela sua felicidade. Não dá para amar o próximo se você não ama a si mesmo.

Por isso, ESTAR sozinha é uma opção minha de autossuficiência. Porém, eu não quero SER sozinha. É maravilhoso amar o próximo e ser recíproco, mas antes é essencial tomar uma dose de amor próprio todos os dias.

Raisa Cavalcante

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.