Como eu fui de melhor aluna da faculdade a pior aluna da turma em 1 ano.

Sempre fui a aluna dedicada, nota dez que não se importava em carregar uma equipe inteira nas costas. Virava noites estudando se assim fosse preciso e, sim, chorava muito se a minha nota não fosse tão boa quanto eu esperava.

Tinha meus projetos, meus sonhos, me dedicava ao máximo a todos eles. Fui à competições, ganhei troféus, fui aplaudida e chamada de “Melhor aluna da faculdade”. Tinha plena noção do que queria ser.

Minha auto confiança estava no auge, eu sabia que estava plantando algo promissor e que, logo mais, colheria todos os doces frutos do esforço. Já me imaginava em cima de palcos, contando o meu case de sucesso, a minha história.

Mas não foi bem assim, dei um passo gigantesco rumo ao sucesso e no meio do caminho encontrei um poço, escuro, frio e solitário. Foi ao me mudar para a cidade de São Paulo em 2017 que eu descobri que nada nunca mais seria tão simples quanto antes.

Reencontrei uma velha amiga: a ansiedade. Me via sozinha, sem companhia, abandonada. A euforia do começo de uma nova vida em pouco tempo se tornara a tortura de uma vida ominosa.

Dia após dia, parecia ser cada vez mais difícil seguir os meus sonhos e o que antes era uma vontade absurda de crescer tinha se tornado apenas a vontade de conseguir sobreviver.

Quem era aquela menina? Quem era a menina que os professores chamavam de relapsa, que não prestava atenção nas aulas, que deixava tudo pra última hora, que tinha que ser carregada, que chorava escondida com medo de falar em público? Definitivamente não era eu.

Eu fui de melhor aluna da universidade a pior aluna da sala em menos de 1 ano. Pior era saber que ninguém ali me conhecia de fato, ninguém sabia da minha história, dos meus projetos, das minhas conquistas… Eu havia me tornado o que eu sempre critiquei.

Eu tenho uma professora que olha pra mim com . Ela deve imaginar que eu sou a decepção dos meus pais, ela nunca se preocupou em saber o que eu já fiz, ela me julga pelo que eu sou naquele momento.

Entretanto, ser julgada, estar em posição de ser criticada o tempo todo me fez crescer muito. Foi uma longa jornada até agora e eu estou me cuidando, pois o que eu tirei de aprendizado desse ano vai durar pra sempre e eu fiz uma promessa a mim:

Isso ainda vai virar uma história inspiradora de sucesso.

Anotem isso.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.