Feito corpo e perfume

A Orion fez- se presente. Assim que olhei para o céu, lembrei de você, das noites calorosas que passávamos juntos, deitados sobre a grama do jardim da casa, ou sentados nas poltronas acolchoadas e antigas. As estrelas reluziam constantemente aquele brilho, embora fosse mais que sua pele lisa e seus fios de cabelo quando estavam meio oleosos. Outro dia, sentado numa mesa de bar e tomando minhas biritas do final de semana, consegui deixar guardado em minha mente o que um rapaz - metido a poeta -, disse, quase ao ponto de declamar: "a poesia é a coreografia das palavras". Havia gostado da frase. Mas nessa de conversa vai e conversa vem, minha melancolia foi sendo transformada em risadas e as opiniões compartilhadas com velhos amigos. Hoje eu procuro ainda mostrar minha lábia para te surpreender, e quem sabe, te preencher de amor novamente. pelo menos estou tentando. Durante as sessões de filme que assistíamos algumas vezes, quase escapavam da minha boca os meus pensamentos sobre você. "Seu corpo e seu cheiro me deixaram saudade", pensava quieto. Dançávamos juntos no box do banheiro, ao cair daquela água límpida que entrava em seus pelos pubianos, o que me fazia sentir prazer ali mesmo. Colocávamos um short e ficávamos sem camisa. Confesso que quando mexia no bico do seu seio, esperava que você se excitasse, queria seu beijo adentrar a minha boca e deixar que nossas gotículas de saliva se misturassem bem.

Quando vem me ver de novo? Quando eu pegarei em sua genitália e deslizarei a mão em seu peito cheio de carne, desejo e mel? Esperarei, cheio de amor. Não é que eu queira só sexo, drogas ou um som romântico no quarto, mas é distante de ti, minha maconha jamais teve o mesmo efeito, quando íamos para a varanda e pensar na vida. Venha, que juntos lutaremos a favor da regulamentação das drogas, nesse país caótico, instável, mas que não perde suas belezas.

Quer me ver de novo? Estou a disposição. Moro ainda no mesmo prédio, no mesmo apartamento. Venha à tarde, Quando não tiver mais ninguém para atender em seu trabalho e estiver saturado de gente chata. Aquele jardim que estávamos há meses atrás está perdendo a cor. Venha iluminar meus dias. Minhas noites. Pois aprendi a gostar de você. Seu número ainda é o mesmo? Tomara que sim. Ah, digitalizei seu cartão. Vou mandar essa imagem para você. Veja se confere:

"Bruno Baianinho / 24 anos / estatura média / branco / a seu dispor, em qualquer posição que for / Fone: xxxx- xxxx”
Like what you read? Give Raí Guerra a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.