Programação — Como eu vim parar aqui

E um pouco sobre minha experiência na Python Brasil [13]

Eu conheci a programação quando era pequena. Com 9/10 anos eu tinha blog, então às vezes, precisava editar algumas coisas no HTML. Cheguei a estudar um pouco, mas eu não tinha muita noção do que era aquilo.

Até que em Janeiro de 2017 um amigo me convidou para um dojo de Python e eu fui sem esperar muita coisa. Aprendi rápido e eu não imaginava que fosse gostar tanto! Senti que com aquilo eu poderia fazer qualquer coisa. rs

Fiquei estudando até Março, mas decidi parar, porque eu e meu marido tínhamos uma empresa, que era um site de cupons de desconto, e preferimos focar em fazer a empresa crescer.

Mas em Maio, tivemos que tomar uma decisão. Não tínhamos recursos para bancar uma equipe nossa e nem conhecimento suficiente para fazer tudo sozinhos. Então decidimos fechar a empresa e voltar a estudar programação. Mas pela falta de recursos financeiros, tivemos que sair da nossa casa e ir morar com meus sogros.

Mais ou menos em Julho, comecei um curso online de Full-Stack com Python e busquei me aproximar mais da comunidade Python.

Comecei a seguir algumas pessoas no Twitter e, um dia, navegando, vi que o Henrique Bastos tinha postado uma proposta. Ele pediu que compartilhássemos nossas histórias e a equipe do #Paiol estaria analisando essas histórias, e as 4 melhores ganhariam um ingresso para o Django Day, que aconteceu na Python Brasil desse ano.

Eu não tinha como ir na Python Brasil, mas vi uma oportunidade de ir pelo menos um dia do Django Day, então, mandei minha história. Não tinha nada a perder, mesmo…

Só que, logo depois que cliquei em enviar, me toquei de que isso poderia ser só para as pessoas que já iriam à PyBr. Mandei uma mensagem pro Henrique perguntando e ele disse que a pessoa deveria estar pelo menos em Belo Horizonte e para eu mandar mesmo assim.

Um tempo depois recebi uma ligação falando que eles tinham gostado muito da minha história e estavam com a ideia de ajudar outras pessoas que também não poderiam ir à PyBr.

Eu nem estava esperando muita coisa. Já estava achando incrível ter a oportunidade de ir um dia para BH aprender e conhecer as pessoas. Mas aí eles começaram a falar que talvez haveria a possibilidade de irmos também para a PyBr! Me animei, mas não criei muitas expectativas, com medo de me frustrar.

Só que os caras conseguiram! Levaram a gente para Belo Horizonte e para a Python Brasil e para o Django Day! Achei incrível isso! Acho incrível como a galera dessa área se ajuda tanto. Quero poder fazer isso um dia… Mas enquanto não tenho condições de mandar alguém para a Python Brasil, vou fazer o que está no meu alcance.

O evento todo foi uma experiência maravilhosa! Aprendi muita coisa, conheci muita gente boa! E o meu compromisso hoje é trazer toda essa bagagem para a minha cidade e para o meu bairro.

Eu e meu marido temos um sonho de levar a programação para crianças e adolescentes nas escolas de Niterói. Mas enquanto não temos conhecimento suficiente para ensinar, vamos começar devagar.

Vou começar um Dojo R.O., na Região Oceânica de Niterói. Vamos convidar algumas pessoas do nosso bairro para ajudá-las a iniciarem com a gente na programação. Depois conto mais sobre o dojo e o que temos feito pela comunidade aqui em Niterói.

Quero muito agradecer à toda equipe do Paiol por essa oportunidade e à comunidade por toda a ajuda, direta ou indireta, que tem nos oferecido!

Like what you read? Give Ramona Mello a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.