Da inércia pra inércia

Li fábulas, parábolas, embuste, conto, poranduba, relato, relatório e os diabo a quatro sobre o momento que nosso país está passando. Por costume, quando leio tanto sobre um determinado assunto minha mente fervilha, meus dedos formigam e a vontade de escrever é quase sufocante, assim deixo-me levar nesse frenesi de palavras que, ao término, sinto uma saciedade deliciosa de ser curtida, porém dessa vez, isso não aconteceu.

Não consegui escrever uma linha sequer sobre algo que queria escrever, isso me fez pensar que estava passando pela infame ‘inércia mental’, mas antes de começar a me desesperar por terrível constatação, me vi pensando numa das grandes questões da minha vida.

Existem algumas palavras que me intrigam muito, uma delas é a inércia, lembro-me exatamente da aula de ciências que a tia Marina explicou exatamente com essas palavras o que é inércia: ‘um corpo parado tende a ficar parado e um corpo em movimento tende a ficar em movimento até que uma força externa altere o seu estado’. Achei muito louco o que ela falou, mas como o importante era passar de ano, gravei a frase pra usar quando precisasse na prova e vida que segue.

Só não esperava que a frase supracitada faria parte de uma das questões da minha vida. Volta e meia, faço algumas pesquisas sobre a inércia e vejo que Galileu deu as explicações dele, depois Newton falou: “É isso aí, mano!”, mas nunca ficou claro pra mim o conceito, existe um ponto filosófico, quase poético nessa palavra que me dá inquietação. O contraponto da inércia é ela mesmo, ela é o seu próprio antônimo, é lindo, é sensual, é atual, é fashion.

Ah, voltando ao assunto principal, o momento do país. Pois bem… Estamos saindo da inércia para ficarmos inertes. :(

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.