Manda nudes, por favor! Vamos falar de sexo?

Vamos falar de sexo?

Eu como mulher e escritora sobre as diversas formas de relacionamento, me sinto bem a vontade para falar sobre esse assunto. Bom, quero contar a vocês sobre algumas experiências e pontos de vista dessa vidinha que levamos hoje em dia.

Primeira coisa: o significa a palavra sexo? Alguém sabe?

1 — Conjunto das características corporais que diferenciam, numa espécie, os machos e as fêmeas e que lhes permitem reproduzir-se. 2 — Exercício sexual praticado a partir de 2 seres, em busca de prazer ou reprodução.

Agora vamos falar um pouco de história. A princípio, o sexo servia somente para a reprodução, até para os seres humanos. Depois, mais adiante, passamos por um período onde homens precisavam de prazer, diversão e buscavam por sexo com escravas, cabarés e bordéis. Passamos por períodos em que a mulher não podia e não deveria ter prazer, pois era considerado pecado, os gays não podiam sonhar em ser eles mesmos, pois também eram discriminados. Adiante, nos anos 80, muitos dos tabus sexuais já tinham sido derrubados e tivemos problemas com a propagação de HIV e doenças sexualmente transmissíveis. Nos anos 90, a mulher começa a ter um pouco mais de voz ativa; anos 2000 temos um grande número de homossexuais se assumindo.

E agora, em nossos tempos de 2016, depois de tantas lutas que foram vencidas, os gays ainda sofrem preconceito e as mulheres ainda são tratadas como pedaços de carne. Se transamos no primeiro encontro, não servimos para casar; se demoramos demais para transar, somos muito santas e os caras nos traem, pois não podem esperar; se vemos filmes pornô, somos putas; se tomamos conta da situação na hora H, somos putas; se falamos de sexo, assim como os homens fazem, somos putas; se nos masturbamos, adivinhem?! Somos putas. Ou seja, tantos anos se passaram e o prazer que conta ainda é do homem. Tem cara que não está nem aí para você — tudo bem que você as vezes pode não estar nem ai pro cara também — só que sexo está além. É o corpo a corpo, é a entrega e eu não estou falando de amor, de paixão, de estar apaixonada. Estou dizendo de cuidado com o outro. A mulher também sente prazer e, pode ter certeza, se ela está ali com você na cama, no chão ou seja aonde for, ela também deseja gozar. Ela quer mais, ela quer o orgasmo da vida dela.

Então, cuidado com o que você faz. O prazer deve ser compartilhado. Os dois devem estar na mesma sintonia. Não seja individualista e pense só em você, sinta a moça verdadeiramente. Lembre-se sempre que sexo é uma via de mão dupla. Outra coisa: se rola sexo no primeiro encontro é porque a garota está a fim, e se ela está a fim é justamente porque você e a vontade dela a fizeram querer transar. Isso não significa que ela não sirva para casar (se ela quiser né! Cada um tem seus planos). Ela tem sentimentos iguais aos seus, então faça com que esse momento seja prazeroso, pois pode ser a primeira vez de muitas ou a última e, ter boas lembranças, recordações e parâmetros é sempre bom.

Não trate uma mulher na cama como uma vadia se ela não quiser — e se ela quiser, não significa que ela queira ser tratada assim sempre. No mercado publicitário, falamos sempre sobre estudar e entender o público-alvo. Essa é uma das coisas que mais faço na minha vida, seja profissionalmente ou na vida pessoal, nos inúmeros tipos de relacionamentos que temos em nosso dia a dia, incluindo a família, colegas de trabalho, amigos, paqueras… em qualquer um deles temos seres humanos com sentimentos e aflições. Precisamos entender o que cada um deseja e em qual vibe ele ou ela está naquele momento.

Leve em consideração uma filosofia de vida minha: cada sujeito é livre para ser e fazer o que desejar. Você pode ter lido esse texto até aqui e chegado à conclusão de que sou feminista e não eu sou a favor de cada um ser e escolher o que quer que seja. Sou a favor do direito de escolha sem julgamentos hostís. Se a mulher que ver pornô, ok; Se ela quer casar e ter filhos, ok; Se ela deseja ser dona de casa, ok; se ela manda nudes, ok também. Eu sou a favor da sociedade parar de ser hipócrita e julgar os seres humanos por coisas tão bobas. Só porque a mulher se masturba ela está cometendo pecado e você homem acha nojento? Acha errado, mas você pode? E nós, temos que aturar? A pessoa está errada por ser gay?

Vamos raciocinar um pouco mais e lutar por coisas que realmente valham a pena, como o fim das guerras e da fome, por mais educação, e não por escolhas que não alteram em nada na sua vida. Temos de respeitar a todos. Você, querida leitora e leitor que está chegando ao final deste texto comigo não é obrigada(o) a concordar com todas as minhas palavras — mas respeitar sim. O meu pedido é: vamos emanar o amor, vamos ver o lado do outro, vamos nos amar mais, fazer mais sexos sensacionais, vamos ser e fazer o que queremos respeitando sempre o próximo e, por favor, seja sincero com você e com o outro!

Muito obrigada por chegar até o fim, compartilhem aqui sua opinião, suas aflições e suas experiências. Vamos discutir, debater, conversar… estou à disposição!

Beijos e até a próxima!

PS: Se quiser me xingar mais, ou contar algo mais secreto, pode mandar e-mail rana.rodrigues@hotmail.com fechado?! Obrigadinha, pessoal.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.