#13 — Lua cheia em Câncer

Câncer é um signo que me desafia. Ora eu gosto da entrega das pessoas deste signo, ora acho que essa entrega não para nunca e me sinto sufocado. É porque cancerianos sentem sempre, e eu, aquariano, sinto em doses bem homeopáticas.

Tenho amigos fantásticos que são cancerianos, e isso é um presente. Eles sabem demonstrar uma coisa que eu, ser extremamente racional, demoro um pouco para mostrar ao mundo: afeto. São carinhosos, companheiros e ajudam quando você quer intensificar um drama. Além disso, eles não vão gostar de quem não gosta de você, mas não é um não gostar suave, eles vão realmente odiar muito quem não gosta de você, porque para o signo de câncer o que não pode existir é o desamor, o desacreditar e o desafeto com os seus. E eles vão lembrar… lembrar pelo resto da vida coisas que você fez ou deixou de fazer e magoou eles. É um rancor poético (nem sempre), mas é um rancor.

Escrevi tudo isso para dizer que a lua está em câncer. É um momento de amar, de acreditar e de pertencer. É o momento que eu, ser que demonstra pouco apesar de ter um coração grande (mesmo com as brincadeiras de que aquarianos não tem coração), deixa fluir o que os astros alinhados me fazem sentir. Por um momento, ou dois, ou durante este ciclo, eu apenas deixo o meu lado racional quietinho, em um canto, e viro mais sentimentos.

Hoje eu só quero ser mais amor e receber mais amor, e se esse desejo é culpa do signo de câncer, eu quero agradecer.