#93 — Impermanência

Eu sou uma pausa para o seu conforto. Tenho percebido isso em alguns momentos. Em algumas relações, quem sabe. Eu sou aquele repouso depois de um dia agitado. Sabe chá de camomila? Acho que sou isso.

Sou aquele fazer bem para o outro, sem esperar tanto. Sou aquele sentir que demora para sentir, mas que sente tanto depois. Ah! E sente. E eu gosto de ser esse momento, esse abrigo. Pena que sou meio passageiro.

Ninguém gosta de zonas de conforto. Nem eu. Eu entendo todos os meus términos. Vezes cansei de ser essa zona que tranquiliza e tenta equilibrar. Vezes cansaram dessa minha tranquilidade. Vezes precisaram parar aqui comigo para desacelerar da vida. Vezes me viram como um impulso. Independente de estar, gosto disso, dessa impermanência.

Like what you read? Give Ranieri Trecha a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.