Gustavo foi criado por uma mãe que dizia defender os direitos da mulher.
Ele nunca entendeu a diferença entre ser machista/ feminista e ser educado. Aprendeu que todo mundo é igual e todo mundo tem que buscar o seu lugar ao sol. 
Hoje, nessa chuva que cai em São Paulo, atravessa a Av. Brigadeiro Luiz Antônio e quase derruba uma senhora para disputar refúgio da chuva, responde agressivamente um homem que pede informação por não saber exatamente onde quer ir e não cede a vez para uma mulher com criança de colo. A mesma mulher que podia ser sua mãe alguns anos atrás. Ter respeito e educação nada ter a ver com as ideologias que você defende.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.