Aos revolucionários de iPhone

“Socialista do Leblon”, “burguês metido a pobre”, “ganhando mesada da mamãe é fácil”, “quero ver trocar de lugar com a empregada e ir morar no subúrbio”.

Aos revolucionários de iPhone, trago boas notícias! Tá liberado.

Isso mesmo. A partir de hoje você pode ter dinheiro e se preocupar com quem não tem. Não é maravilhoso?

Conferimos aqui e parece que existe algo chamado empatia e qualquer um pode exercitar. Tá liberado pra todo mundo experimentar!

Aliás, também ficou decidido que você não precisa fazer voto de pobreza pra ser altruísta. Mas se quiser fazer, pode.

Tá liberado morar em bairro nobre e querer que cada vez mais moradores de comunidades pobres tenham saneamento básico, segurança, acesso à saúde, educação e tudo mais.

Pode morar no Leblon, ter iPhone e ser a favor de políticas públicas de inclusão porque quer que mais pessoas tenham iPhone e morem no Leblon.

O preço do IPTU não te impede de querer justiça social. Não precisa penhorar os bens pra querer uma sociedade mais igualitária. Agora, se quiser penhorar, liberado também.

Reconhece a importância do trabalho duro e não é babaca com quem tem menos que você? Então pode ganhar mesada do papai e lutar por igualdade, sem problemas!

BREAKING NEWS! Ter um tênis foda não te impede de apoiar políticas públicas de inclusão. Aproveita, hein.

Isso mesmo! Defender política pública pra chegar lá tá valendo.

Quando você pega seu dinheiro suado e usa pra ajudar os menos favorecidos é lindo, não é? Quando o governo faz a mesma coisa também! E olha que mágico: também é com o seu dinheiro suado que ele faz isso!

Tá liberado os dois ao mesmo tempo e um não depende do outro.

Trabalha honestamente e ganha muito dinheiro com o que faz? Tá liberado gastar como quiser e buscar equidade. Pode usar até tênis 12 molas, foda-se. Camisa polo com brasão, casaquinho amarrado nos ombros, vai que vai. Voa!

Mas tem uma obrigação, só uminha.

Você, privilegiado, tem a obrigação de reconhecer sua posição de privilegiado e fazer o que estiver ao seu alcance pra que esse privilégio se torne cada vez mais comum pra quem ainda não o tem.

Fácil não? E não vale se achar herói ou melhor que os outros por isso. Isso não pode.

Também não pode não querer mudança nenhuma, principalmente sendo o lado privilegiado. Todo mundo quer o tênis foda, lembra disso. Talvez nem todos consigam, mas sua obrigação é tentar.

Pode: ter apartamento em Paris e gostar de caviar. Não pode: achar que precisa morar no Brasil pra fazer dele um lugar melhor.

Já ia me esquecendo! Pode gostar de Chico Buarque e Los Hermanos, ok? Porra…. Jorge Vercillo? Tá bom, vai. Molejo? Pode e deve! Escuta o que você achar melhor, não tem problema. Você pode curtir a trilha sonora que quiser se estiver tentando reduzir contrastes sociais. Tá justo.

E o mais legal: você não precisa ser de esquerda pra querer isso tudo. Pode ser de direita. Não precisa usar azul ou vermelho. Pode ser preto, branco, arco-íris ou daltônico.

Esquerda festiva está mais que liberada! Pode usar carnaval, festa, música, arte e cultura de maneira geral como forma de construir uma sociedade mais inclusiva.

Ah! E não precisa ter vergonha de postar textão no Facebook. Ir pra rua é importante, mas usar rede social pra se expressar, gerar debate e se mobilizar não é se esconder atrás do monitor. A internet tem um poder do caralho, revoluções e primaveras já começaram e ganharam força por aqui. Vai nessa!

Já ia me esquecendo! A partir de hoje, ser a favor da meritocracia significa criar condições iguais pros desiguais. E não “se virem do jeito que tá aí e foda-se”. Se não não muuudaaaaa. (voz da Negra Li)

E pra fechar, anota aí. É mais recomendável um "socialista do Leblon" do que um preconceituoso de lá. Melhor um "revolucionário de iPhone" do que um reacionário. E pode, pode ser Galaxy.


Curtiu?

É só fazer login no Medium e clicar em Recommend ali em baixo. Comenta, compartilha e espalha essa ideia por aí pra mais gente falar sobre isso.

Também estou por aqui:
Site | LinkedIn | Twitter | Facebook | Instagram