Mais vale um Neymar na mão do que dez professores voando.

“Que absurdo o Neymar ganhar isso tudo enquanto um professor ganha um salário mínimo.”

Meu querido leitor, talvez ninguém tenha te contado um fato importante sobre a vida: Um produto é valorizado por sua escassez e não por sua importância. O oxigênio é extremamente importante, mas não é escasso. Quanto mais raro, mais valioso. Você não recebe por sua importância, você recebe por sua raridade. Uma máxima usada em vendas é: “Quanto mais raro, mais caro”.

Os professores são extremamente importantes, quando são bons, possuem uma função vital para uma nação, porém não são raros. Como exercício ilustrativo, consigo listar na minha timeline do Facebook, pelo menos 15 professores, de um total de 251 amigos. Ou seja, 5.97% da minha lista de amigos são professores mas nenhuma pessoa chega próximo de ser um Neymar. Neymar só existe 1 no mundo, enquanto que no Brasil são mais de 1.882.961 docentes. Fica até injusta a concorrência. Obviamente que existem professores em seus mais variados níveis de raridade. E essa raridade, não necessariamente, tem relação com sua capacidade técnica ou acúmulo de conhecimento. A raridade vai de acordo com a escassez e o contexto inserido. Existem professores que ganham mais que a maioria dos jogadores de futebol no país. Não se trata de profissão, se trata de comportamento.

Se você quer ser valorizado no que faz e ganhar muito dinheiro, você precisa ser raro. Você precisa ser único. Ser o melhor que você conseguir! Se você for o melhor que conseguir ser, utilizando os recursos que possui, você já estará se diferenciando. E quando falamos em diferenciação, muitas vezes, não precisamos de muito. Vou dar um exemplo: Segundo IBGE, pesquisa realizada em 2016, 44% dos Brasileiros não possuem o hábito da leitura, e pior, 33% dos Brasileiros NUNCA compraram um livro na vida toda. Olha como é simples se diferenciar de 44% dos Brasileiros: basta ler. Você só precisa ler para se diferenciar de 44% da população brasileira, nada além disso. Não precisa ser um gênio da matemática, nem um astro do rock, apenas ler, e você já estará se diferenciando de alguns milhões de pessoas. É o suficiente? Nem de longe, mas já é um bom começo.

Mas voltando ao assunto Neymar:

Para colocar em números o que significa ser raro, vou me utilizar de algumas notícias:

1 — No PRIMEIRO dia do Neymar no PSG, o PSG vendeu 1 MILHÃO de EUROS em camisetas.

2 — Ao ser oficializada sua contratação, o PSG, em apenas 6 horas, já havia vendido 2 MILHÕES de EUROS, em camisetas do “menino Ney”. Em 1 dia e 6 horas, o Neymar retornou para o clube, só em vendas diretas de camisetas, 3 milhões de EUROS. #chupaMessi

3 — O maior patrocinador do PSG, está negociando em DOBRAR, repito, DOBRAR o valor do patrocínio ao PSG só para poder “usar” o produto Neymar.

4 — Nunca se falou tanto em PSG. Por uma semana INTEIRA, esse foi o assunto mais comentado nas redes sociais Facebook e Twitter.

Isso são só os pontos tangíveis, imagina se a tentarmos calcular os intangíveis? Quantos torcedores do Barcelona agora se tornaram torcedores do PSG? Quantas emissoras no mundo estão divulgando a marca “PSG” , para milhões de pessoas? Quantas crianças pelo mundo não querem ser o Neymar, seja no PSG, no Barça, no Corinthians e até, Deus que o livre, no Palmeiras? O Neymar é raro em qualquer lugar, por isso vale o que vale.

Raphael, como eu posso me tornar raro?

Resposta: Eu não tenho a mínima idéia. Se vira!

Um bom começo seria oferecendo o seu melhor a cada novo dia. Uma forma de fazer essa autoanálise seria olhar a sua volta e se perguntar: Quantos dias levariam para me substituir, caso eu morra amanhã? Com a resposta você terá uma pequena noção do quão raro você está sendo. Infelizmente, para a maioria das pessoas, a resposta será: “não levaria um dia. Basta um telefonema e sua vaga estará ocupada.” Se você pode ser substituído com essa facilidade, você não é raro e dificilmente será valorizado. A responsabilidade de se valorizar é totalmente sua, assuma-a! Torne-se escasso. Só você pode fazer isso por você mesmo.

Encarnando Augusto dos Anjos, eu diria: RAREFIQUE-SE!

Caro leitor, a vida é muito valiosa para sermos apenas parte da paisagem.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.