Conheça Alzira Soriano, a primeira prefeita eleita na história da América Latina

Com 60% dos votos, ela deixou o cargo no ano seguinte por discordar de Getúlio Vargas

Matéria publicada no site Her Campus|Cásper Líbero.

Alzira Soriano nasceu em Jardim de Angicos (RN), em 1897. Viúva aos 22 anos e mãe de três filhas, foi responsável por comandar a Fazenda Primavera no sertão nordestino. Por conta do seu pioneirismo e pulso firme numa época de dificuldades e pouquíssimos direitos, acabou chamando a atenção do movimento feminista. Uma das líderes, Bertha Lutz — que viria a exercer o mandato de deputada federal em 1936, após a morte do titular Cândido Pessoa — , viu em Alzira uma liderança forte, capaz de disputar as eleições e a recrutou.

Antes mesmo das mulheres conquistarem pleno direito ao voto no Brasil, os eleitores da cidade de Lajes, no Rio Grande do Norte, escolheram Alzira para a prefeitura nas eleições de 1928. Com 60% dos votos, aquela foi a primeira vez em que um cargo do Poder Executivo de toda a América Latina foi ocupado por uma mulher.

O Rio Grande do Norte foi o primeiro estado a retirar a restrição de sexo da legislação. De acordo com o site da Prefeitura de Lajes, o artigo 77 da Lei 660 de 1927 dizia que “no Rio Grande do Norte, poderão votar e ser votados, sem distinção de sexo, todos os cidadãos que reunirem as condições exigidas por esta Lei”. Já em âmbito nacional, o sufrágio feminino só se tornou uma realidade em fevereiro de 1932, durante o governo de Getúlio Vargas (1930–1945), mas ainda com algumas restrições. Votavam apenas as mulheres que fossem casadas (mediante autorização do marido) e viúvas ou solteiras com renda própria. Apenas dois anos depois, em 1934, as restrições foram descartadas, mas o voto permaneceu facultativo até 46.

Alzira no dia da sua posse como prefeita, em 1929, aos 32 anos — Arquivo Nacional

Na cerimônia de posse, em 1929, Alzira ressaltou a importância da sua eleição e o marco que aquele momento representava na democracia brasileira. “Assim, neste ambiente de liberdade e trabalho, de patriotismo e de tolerância, tornou-se em realidade o nosso sonho de igualdade política. A prova eloquente de reconstrução político-social, caracteriza-se pela minha eleição ao posto de prefeita deste município”, o discurso foi publicado no Jornal A República, em janeiro de 1929.

Um ano depois de Alzira assumir seu mandato na Prefeitura de Lajes, Getúlio Vargas ascendeu ao poder. Herói ou ditador, seu governo gerou discordâncias e atritos que motivaram a saída de Alzira do cargo. Ela só voltou à vida pública em 1947, quando foi eleita para ser vereadora de Jardim de Angicos, sua cidade natal, cargo em que permaneceu por mais dois mandatos.