Edward Munch, "The day after", 1894-95.

Suspensus inferos

Eis que Ella é o mito
Porque viu estrelas
A sua espera...

O interesse morre a cada
Soco forte da existência, 
Do lado de dentro…

O sentido é o sonífero que 
Cerra os olhos e liberta
Cada célula...

A repulsa adormece 
O sentindo em forma 
De rachaduras!

Na medida que o encanto 
avança bilateral...
O desencanto dá 
Machadadas nas têmporas 
Naquilo que é irreal!

O interesse brota no canto 
Do olho esquerdo,
O sentido o convida para 
Esta noite de sono...

A repulsa descansa intacta
À espera de um admirável 
Fatigado novo dia.

In: dissolução nos trópicos