A melhor música brasileira de 2017 vem de Portugal

Depois do pastel de Belém e do Cristiano Ronaldo — além de inúmeras piadas de português — Portugal produziu algo excepcional de novo. Dessa vez, uma música

O nome do gajo responsável? Salvador Sobral com a canção Amar pelos Dois.

E não é qualquer uma. Uma canção do gênero mais brasileiro possível. Tão brasileiro que que leva a nacionalidade no nome: Música Popular Brasileira. Uma bossa na linha de João Gilberto, Tom Jobim, Vinícius de Moraes e até Dorival Caymmi — este último, influência declarada de Salvador, que já gravou a música Nem Eu do baiano. Alguns dizem que é um jazz, mas insisto: Amar pelos Dois é música brasileira da melhor qualidade. E ainda por cima, vindo de um português!

Escrita por sua irmã, Amar pelos Dois foi a primeira música de Portugal a ganhar a Eurovision — competição europeia de música que acontece desde 1954. É uma música de amor, sobre um cara apaixonado que pede sua pessoa amada de volta. Parece um assunto comum, né? O resultado, porém, é maravilhoso.

“A música não é fogos de artifício, a música é sentimento. Vamos colocar a emoção de volta na música.”

É exatamente isso que essa música faz. Eu tinha passado por um término recente, com feridas ainda abertas e a mente que não parava de remoer toda a relação quando dei o play pela primeira vez. Nem sabia sobre o que a música se tratava direito. Não resisti. Comecei a chorar e antes que alguém visse, consegui ir ao banheiro e dar uma disfarçada. Alguns minutos depois, terminei de ouvir a música e coloquei pra tocar de novo.

E de novo.

E de novo

Não conseguia parar. Algo naquela voz e naquela letra acertaram em cheio em mim. A interpretação de Salvador, com um maneirismo quase irritante mas que acaba sendo apenas puro, bobo até — como a maioria dos amores, não? — só acrescenta mais emoção à música. Já a letra é de uma beleza simples — não simplista — que eu não vi há muito tempo.

As primeiras frases soam apaixonadas, sem nunca soar clichê:

Se um dia alguém perguntar por mim
Diz que vivi para te amar
Antes de ti, só existi
Cansado e sem nada para dar

Mas foi o refrão que me conquistou.

Meu bem, ouve as minhas preces
Peço que regresses, que me voltes a querer
Eu sei que não se ama sozinho
Talvez, devagarinho, possas voltar a aprender

Essas palavras, ainda mais semanas depois do fim de um amor, tornaram Amar pelos Dois ainda mais importante pra mim. Engraçado como algumas músicas, escritas a partir de experiências completamente diferente e por pessoas que nunca vimos, parecem ter sido escritas para a gente e sobre a gente. É como se Salvador estivesse cantando pra mim, ao mesmo tempo em que canta pra todos que já se apaixonaram alguma vez. Por isso que acho essa canção tão apaixonante. É para todo mundo, mas é só minha.

E como é minha, posso escolher a versão que mais gosto pra acabar o texto. Essa versão acústica em uma rádio de Portugal, onde além de cantar, Salvador faz as via de de trompete.

Você pode ouvir sem se apaixonar pela letra, mas não prometo nada.