Ser noiva é um saco, mas ninguém vai te contar.

Você pode ter lido todos os manuais da boa noiva ou ter pesquisado sobre os melhores fornecedores e formas de pedir um orçamento, que nada vai te preparar para a solitária tarefa que é ser uma noiva. Quando você diz aos seus amigos e familiares que vai se casar, de um modo geral, todo mundo fica feliz. E perguntam o tempo todo sobre o casamento. Claro, tá no script.

Nada te prepara para o fato de que você vai ter que fazer a lista de convidados, com o noivo e os pais apenas como consultores, mas na hora de cortar a lista — porque você vai ter que cortar — são os seus convidados “não tão importantes assim”, que saem da lista na primeira leva e você ainda se vê obrigada a justificar e explicar quinhentas mil vezes porque aquele colega do trabalho não pode entrar na lista simplesmente porque não cabe.

Sem falar dos milhões de orçamentos que você pede e que demora uma vida inteira pra receber a resposta dos fornecedores e que você não tem coragem de ficar cobrando porque, afinal, aquele é fornecedor dos seus sonhos. Mas custa responder um email? Pode parecer muito choro pra pouca vela, mas espera só até acontecer com você.

Você ter pode ter entrado na academia, mas não tem tempo suficiente pra ir e já não aguenta mais as pessoas perguntando sobre o projeto noiva. Oi? Será que as pessoas acham que o meu metabolismo vai se acelerar a cada vez que elas disserem esse termo ridículo? Eu já perdi as contas de quantas vezes eu acordei querendo caber no vestido e não que o vestido coubesse em mim. E é claro, quanto mais perto fica o casamento, maior eu me sinto, no pior sentido.

E como se não bastasse, ninguém te dá licença-noiva no trabalho. São as mesmas 8 horas de trabalho diárias, mais 3 horas no mínimo dentro de um ônibus quente e lotado. Te cobram como se você tivesse a vida ganha, mas não tem nada ganho não. Você tem que se revirar entre horas extras, pra conseguir ir ao médico, ao dentista, ao cartório e ninguém se importa realmente com isso, muito menos seu trabalho.

Te perguntam se já comprou os móveis. Te perguntam se já escolheu a maquiadora. Te perguntam sobre como vai ser o cabelo. E os doces, já escolheu? “Me chama pra degustação”, eles dizem. Não chamo não, não tô querendo degustar nada a não ser uma boa noite de sono. Sono? Também não sei o que é dormir direito e não tiro férias há mais de um ano e meio, porque afinal, tem a lua-de-mel e você tem que se programar pra conseguir casar e viajar logo em seguida.

E aí vem ITBI, vistoria coletiva, condomínio. Será que eu não podia acordar já casada? Ou pelo menos no dia da festa, com tudo pronto? Comer e beber, todo mundo quer. E saber sobre o casório, todo mundo quer também. Se tem convite sobrando, também querem. Mas saber como eu tô, ah, bobagem, não enche uma mão. Eu não aguento mais falar sobre o casamento, sobre o chá disso, chá daquilo. Separar listas com 260 nomes e contar e recontar, é um saco absoluto. Não me perguntem mais sobre o casamento, se não for pra ajudar.

Passar bem. #Paz

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.