Amores e hábitos alimentares

Algumas pessoas quando se apaixonam acabam mudando um pouco seus hábitos alimentares, algumas mais outras menos…não há uma regra quanto a isso, a menos que estejam fazendo alguma dieta, aí sim existe uma regra. Algumas deixam de comer por que não param de pensar na pessoa amada, o que as fazem esquecer de tudo (e as vezes delas mesmas). Outras comem demais pela ansiedade de encontrar o boyzinho (ou a gatinha), alguns passam a comer mais em restaurantes, lanchonetes, passam a experimentar coisas novas que o novo (ou nem tão novo assim) parceiro adora, tem gente que começa a se alimentar melhor, a comer menos besteiras…a verdade é que de alguma forma mudamos nossa alimentação, afinal, quando nos apaixonamos nós mudamos de uma forma geral.

Mas o que dizer quando o romance acaba? Parece que todos os bons hábitos que adquirimos durante a feliz época da paixão termina também. As frutas perdem lugar para os chocolates e biscoitos, legumes dão lugar a frituras e comidas gordurosas, daí vem acompanhado de cerveja, vodka, catuabas… e qualquer outra coisa que tiver álcool, sim, álcool, nada melhor pra fazer esquecer o(a) ex sem ter maiores complicações (se é que me entendem). Mas talvez essa não seja a melhor solução, afinal todas essas coisas em excesso faz mal e depois de algum tempo nos causam um tremendo arrependimento. A camisa fica apertada, a calça não fecha, pula banha para os lados, você se olha no espelho e se sente mal, aquela sensação de inchaço, daí você passa a evitar se olhar no espelho, a não sair de casa, a deixar de se cuidar, até que as coisas passam dos limites. Você a além de se sentir carente, você se sente uma pessoa feia, maltrapilho, e vários outros adjetivos ruins. “Não, vamos parar com isso, vamos desviar o foco disso, eu não sou assim. Já sei, vou ver um filme…uma série…isso também não está funcionando…uma olhadinha no facebook, instagram quem sabe?!” Não importa o quanto você tente, aquele demôniozinho está na sua cabeça a te apurrinhar e o melhor que você tem a fazer é mostrar quem manda nessa budega. Como?

Primeiro passo: mande ele se fuder

Segundo passo: diga a si mesmo o quanto gosta de você. (Por mais que as vezes você diga que não, você gosta sim, porque você é especial, alguém maravilhoso e capaz, mas como todo mundo, também passa por fases ruins.)

Terceiro passo: mude o ambiente. Nem sempre a mudança vem de dentro para fora. Uma simples arrumação faz uma boa diferença, pois ambientes sujos e desorganizados causam mal estar. (Aproveite e desapegue dos presentes, fotos que lembrem do ser indesejado)

Quarto passo: mude você! Aprenda coisas novas, como um idioma, um instrumento musical, costurar…ou aprenda coisas nem tão novas assim. Retorne a aquelas atividades que por algum motivo te fez desistir ou parar, mas que te faziam bem. Que tal desenhar? “Ah mas eu não tenho talento.” Desenhe assim mesmo, você vai se surpreender e se divertir também.

Quinto passo: mude seus hábitos alimentares. Sim, isso realmente faz uma boa diferença. Certa vez eu li em um texto sobre isso, não lembro quem escreveu muito menos o autor, mas lembro de uma frase que marcou minha vida, “amarga paixão”. O texto falava para que quando cairmos na desilusão amorosa, fazermos uma dieta rigorosa, pois além de ser uma forma de esquecer da pessoa amada, ajudaria a perder uns quilinhos. E numa dessas o autor aconcelhava a beber café sem açúcar, e quando fizesse isso pensasse na pessoa, daí a frase acima. Achei loucura a primeira vista, mas depois nem tanto, até que resolvi fazer. Deu certo. Hoje só bebo café sem açúcar, cá pra nós, passei a gostar ainda mais de café.

Mas ainda há algo que gostaria de lhe dizer. Não é o podrão da esquinha, (os muitos) chocolates e doces, refrigerantes, cervejas, aquele sorvete de madrugada e qualquer outra coisa engordativa que vai te fazer mal. Mas apenas não faça disso um hábito. Não há nada de mal em comer besteiras, e quando comer coma sem culpa, porém com consciência. E lembre-se: você é especial, alguém maravilhoso, capaz e acima de tudo, você é livre pra fazer e ser o que quiser!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.