O não-significado

Se permitir sentir o não-significado é tarefa árdua.
Queremos apenas fazer o útil.
Se pensa então que não se pinta um quadro sem que ele possua forma e harmonia. 
Pra que e pra quem se quer exibir a arte?
Se permitir ao não-significado é simplesmente sentir o ato.
Ora, não há problema em pintar um quadro sem forma. Não há problema em pintar quadros “feios”. Quem é mesmo que define a “beleza” da arte?
Que é a arte senão um punhado de sentimentos, que por sua vez podem encontrar-se desorientados?
A arte é um transe interno que nos dá vontade de externalizar.
A expressão do não-ser é também o nosso sentimento se manifestando.

Nuvens-naves que flutuam todo este corpo que habito.Fluídos loucos que sobem uns sobre os outros.Nuvens-livres que ocupam formas geométricas.Nuvens-novas que colorem de dor e alegria qualquer manifestação do interior.Nuvens limitadas pelo utilitarismo.Nuvens apertadas que não cabem no contorno.Novelos de lãs que se soltaram dos linhos. Explosão linear que agora sucumbe em sonho de nuvem colorida.

Nuvem Árvore
Navalha Ovelha 
Navio Novelo

O nada também navega no nu do homem.