De onde vêm as ideias

Não leia se você é um incrédulo.

Já vou dizer logo de cara para que, nem eu nem você, percamos tempo. Assim, se você tiver mais o que fazer, pode largar esse texto e ir cuidar da sua vida: as ideias emergem das profundezas amargas de uma alma frustrada.

Elas cheiram a quartos revirados, entorpecidas em uma profusão de aromas azedos de suor, lágrimas e neurônios exaustos. Elas eclodem da lama e do caos. Dos medos humilhantes. Das tristezas acachapantes. Do “ser o único a acreditar no que todos duvidam e criticam”. Do “só você enxergar onde todo esse sofrimento e dor pode vir a te levar”.

Tudo isso por um motivo muito simples: não existe solução sem problema. E não existe problema sem frustração. Believe me.

Sem raiva. Sem humilhação. Criar é frustrar-se mil vezes para lograr-se uma. É quando o que vão chamar de “sorte” encontra você em uma montanha-russa alucinante de persistência insana incansável ininterrupta. É ter que aprender a lidar com o fato de estar cercado por perguntas e nenhuma resposta. É ter que saber compreender-se em estado de constante inquietude. É padecer no limo frio e distante dos incautos, humilhados por aqueles que não se arriscam a realizar.

Engana-se quem acha que criar é resultado de uma sequência de acertos. É exatamente o contrário. Criar é a arte de motivar-se mesmo diante de infinitos fracassos. É ter a capacidade de fracassar, fracassar de novo, fracassar melhor.

A criação não é um momento mágico de inspiração. Mozart não criava uma sinfonia sem sofrer profundamente por meses. Stephen King no processo de produção se mais de 80 livros apagou duas palavras para cada três que escreveu. A criação é resultado de uma vida de entrega e determinação.

As gavetas do mundo estão entupidas de projetos inacabados. Para quantas ideias suas você não deu a devida atenção, permitindo que elas morressem no fundo da gaveta? Se aqueles que desistem soubessem o quão perto estavam de conseguir quando o fazem. Quantas ideias você não levou adiante por medo de errar ou por “falta de tempo”? Pare de se enganar. Não existe “falta de tempo”. Existe sim é falta de vontade, falta de resiliência, falta de vergonha na cara de dar o melhor de si naquilo que você realmente acredita. No que te move, te tira do lugar, te faz sonhar alto.

Então pare de inventar desculpas e comece a inventar coisas. Coisas que ajudem a resolver problemas na vida das pessoas. Um bom começo é a sua própria vida. Busque resolver seus maiores problemas. A esmagadora maioria das ideias de negócios bem sucedidos nasceu da frustração de uma pessoa. Foi assim com a Nike, com o Trip Advisor, o Facebook, com o Uber, com a Go Pro, com o Air Bnb, o DropBox e tantos outros. Isso para não citar filmes, canções, concertos, livros e toda sorte de produção cultural que transforma a vida das pessoas em um lugar melhor para se viver todos os dias.

Enfim, a lista é infinita. E você não está nela por preguiça ou incompetência. Você escolhe.

O texto acima foi escrito após uma explosão de inspiração reflexo da leitura do livro “A História Secreta da Criatividade” de Kevin Ashton. Compre agora e leia.