Aos professores, com carinho


Professores ajudam a mudar o mundo.

Há de se convir que trabalhar com educação é um ato muito belo. Não por assim já o tratarem, como um clichê. Mas, sim, porque o é.

É romper o lado individualista, que todo ser humano tem um pouco, para partilhar o conhecimento e dar instruções e orientações a uma pessoa que ainda desconhece a maioria dos comportamentos do mundo. Isso é, sem dúvidas, primoroso. É ensinar a pensar, é ensinar que, por trás de tudo que é natural, existem vantagens e vontades. É ensinar que a natureza se expressa em números, que obedecem trajetórias, caminhos, muitas das vezes unívocos.

É, também, fazer cidadão. Afagar quando acerta e chamar no canto quando erra. É transmitir os valores. É a educação complementar à familiar, num ato de artesão, que esculpe paulatinamente a obra.

É enfrentar os birros, as más vontades e os questionamentos como: “Para que estou aprendendo isso? Vai servir de que na minha vida?”. Ainda assim, continuar fazendo e com primazia.


“Uma criança, um professor, um livro e um lápis podem mudar o mundo.”
(Malala Yousafzai)

É, sobretudo, acreditar na mudança do mundo. Até porque uma criança sozinha não consegue ser tudo que é capaz de ser. Uma criança sozinha não consegue ler um livro. Não consegue entender os símbolos que passam alguma mensagem. Mais que isso, a criança também não pode passar mensagem alguma que não seja pela fala. Não consegue registrar nada que não seja na mente. Além disso, um livro sozinho não se faz entender assim como um lápis sozinho não faz escrever. Essa mudança, citada por Malala, só acontece porque tem um agente transformador nesse meio. É ele que faz a magia acontecer, como num processo produtivo. Pega todos os insumos e transforma num produto perfeito. É como lapidar um diamante sabendo que dentro há muita riqueza e esplendor, por trás da brutalidade que agora o acompanha.

É transformar a vida de pessoas e as próprias pessoas (e, assim, transformar o mundo). É suportar todo o processo complicado por saber da beleza dele. É fazer isso sem ganhar muito em troca (ainda que deva ganhar muito por isso). É ganhar um sorriso, é ganhar um abraço. É partilhar o sucesso. É muito para o pouco que as palavras conseguem traduzir e que qualquer presente possa suprir. Parabéns a todos os professores, grandes mestres. Com carinho.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Raymundo Ferreira’s story.