RBWCAT — Um breve relato

Produzir um evento nunca é algo simples. Desde a concepção até o fim, é uma constante de erros e acertos que te deixam maluco se você não tiver jogo de cintura. Com o Rainbow não foi diferente então vou fazer um relato breve de como projetar esse evento refletiu sobre mim…

Em 2016 mais de 50 pessoas se reuniram na primeira versão do RBW e escutei muitas pessoas falando que uma segunda versão seria ~dahora~e não é que com o estímulo certo, ele aconteceu? Juntamos uma equipe forte que chamamos de Diretoria Fixed Gear (nada mais do que amigos comprometidos em colaborar para o crescimento da cena) e começamos a pensar e decidir sobre como seria essa 2ª versão.

O Akio definiu os checkpoints, o Scaff fez a arte do cartaz com o Otávio e ajudou sempre que pode, o Lagarto cuidou dos spokes (que eu simplesmente esqueci), a Lica/Gusta/Beto me mantiveram sã e resolveram tudo que eu não pude e o Danilo foi chave de ouro, sempre disposto, trazendo novas ideias e correndo pra cima e pra baixo pra deixar tudo encaminhado para o dia do evento. Entendam, eu estou comentando isso porque não se produz nenhum evento sozinho, ter pessoas em quem confiar é essencial e valorizar quem ajuda é ainda mais.

O processo de criação do RBW foi mais ou menos assim:

> Criamos a página com o intuito de alimentar as pessoas do rolê com notícias descomplicadas e interessantes.

> Alguns meses depois lançamos o evento e começamos a convidar o pessoal, indo até inbox, pois queríamos reunir todo mundo mesmo

>Comecei a procurar os apoios, falei com amigos, marcas e todo mundo foi muito bem educado e fez o que estava ao alcance pra fortalecer o rolê!

> Fechamos a parceria com o VegVeg (YES, AGORA TEMOS CASA!)

> Vamos colocar bandas para tocar? VAMOS! (Obrigada Cãos e Taco Rat por animarem o rolê e Danilo e Akio por fazerem acontecer.)

~~ Beleza, já temos os apoios sendo divulgados, o pessoal tá confirmando presença, todo mundo tem estadia… e agora? Agora o Danilo me chama pra gente fazer um Timeline do evento, algo que eu nunca tinha feito e ele me ensinou e sem isso a gente teria ficado bem perdido. E quando faltam 3 dias e eu lembro dos spokes. Na sexta a gente resolveu ir pra balada com o rolê e já sai direto pra Campo Largo buscar mais premiação… Chegamos no Rainbow sem um minuto de sono e algumas crises de ansiedade…….. EU ESQUECI OS MANIFESTOS! Mas o Gusta e a Beto foram buscar.

Depois disso é a parte da mão na massa, começam as inscrições (valeu Lica!!) e os ânimos vão fervendo. Enquanto monta uma coisa aqui, corre buscar aquilo lá o evento vai acontecendo e a largada é dada com 63 competidores se atropelando em busca das bicicletinhas. ~~ OBRIGADA AO PESSOAL DOS CHECKPOINTS! VOCÊS @H@Z@M ~~

Foto por: Doug Oliveira @cicloativismo

A corrida teve duas etapas, na primeira todos pagaram uma prenda no Check, ~~enquanto isso tocou Cãos no VegVeg~~ e a segunda etapa, a final, foi sangue no olho e CÃIBRA nas canelas! Depois que todo mundo chegou, Taco Rat tocou agitando mais ainda o povo que tava esperando as premiações e no fim, choveu. Eu transbordava felicidade de ver tanta gente reunida, gente que saiu da zona de conforto pra ser dono da cidade por algumas horinhas, gente que cantou, dançou, suou e pediu mais uma música porque tava acabando. Foi cansativo, mas foi gratificante. Parabéns aos colocados, parabéns à quem completou, à quem colou pra fortalecer, vocês fizeram isso acontecer, vocês realizaram o Rainbow Alleycat 2017. Obrigada.

Deixo com a matéria o lançamento do vídeo do evento, feito pelo meu irmão e queridíssimo amigo, Bruno Henrique.

Escrito por Gabriele Lepca.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Rainbow Alleycat’s story.