Negócio Encerrado.

Alec observava a chuva sentado no beiral da janela do seu quarto no 17º andar de um hotel barato na Eclipse Lane, um das ruas mais glamourosas de NY antes da guerra, hoje um lugar sujo com cheiro de mofo, cheio de viciados em Vaine e prostitutas acabadas e mesmo assim é o melhor e mais discreto lugar que seu dinheiro sujo podia pagar naquela noite, ele parecia hipnotizado pelo som que saia dos fones cuidadosamente presos aos seus ouvidos, ouvia segundo ele o som no equipamento com a melhor tecnologia já feita, não aquelas porcarias de áudio córtex-receptores fabricadas por empresas chinesas de nome estranho, implantados diretamente no seu lóbulo frontal onde bastava pagar por um pacote de conteúdo personalizado transmitido diretamente para sua cabeça bastando pensar na musica para ouvi-la, alguns até selecionavam musicas a partir das suas emoções, mas não ele preferia assim sem implantes sem customizações de conteúdo, preferia simples e eletrônico digital, e como sempre dizia “old style é mais sujo é mais vivo e essa porra de neuro digital e coisa pra fritar o cérebro”.

A melodia exótica da música vinda do seu console portátil antigo nada parecia com o que costumava ouvir quando criança nas ruas da extinta Los Angeles, ouvia um som caótico dessas bandas neopunks que se intitulam anarquistas frente aos governos neoliberais, sua favorita a que escutava ali era a Foxy Toxic.

Já havia visto shows o bastante desse tipo banda feitos nos clubs mais barra pesadas de New York para saber que esse tipo de musica e algumas drogas sintéticas só podem ser encontras em lugares onde a maioria das pessoas não gostam uma das outras e um fudido pai da família jamais ousaria chegar perto, mas é onde seu tipo de gente vive.

Alec sente seu telefone vibrar, é uma mensagem de Zack seu parceiro de trabalho, reclamando: “Porra cara estou batendo na merda da sua porta a quase uma hora abre essa porra logo!”.

Alec destrava a porta e o que encontra é Zack transtornado gritando e xingando. Porra eu te falei que essa merda ia matar a gente, mataram o Dizzie e o Tim eu to falando a gente tem que se mandar, os caras do Hajime vão achar a gente é só uma questão de tempo até eles ligarem os pontos logo vão sacar que eu fiz a conexão e você quebrou o firewall do servidor e pegou o prototipo! Porra o cliente já pagou! Vamos pegar a grana e sumir, eles vão matar a gente cara eu sei que vão.

Caralho Zack cala a boca se liga o Dizzie deu mole eu falei pra ele sumir depois do serviço e entrar em contato comigo em 10 dias pelo connect server da universidade você sabia dos riscos e eles também, roubar armas de empresas belicas chupapica do governo não é brincadeira de hackers punheteiros, não é o mesmo que invadir bancos e roubar centavos, o cliente fez o deposito ontem e o fato de você estar aqui quer dizer que o Grupo do Hajime matou o Tim quer dizer que eles já sabem quem somos e onde “VOCÊ ESTAVA” e agora onde “VOCÊ ESTA” seu MERDA!

Alec pega sua mochila e prende dois blocos de explosivo plásticos um na soleira da porta e outro a na base da janela onde estava sentado, liga os sensores de movimentos e os dois se mandam pela escada de incêndio.

Porra Alec 17 andares pela escada de incêndio não podia ser pelo elevador, caralho.

Cala a boca Zack a gente não desceu nem 5 andares e já dev ter alguém pronto pra invadir a porra do quarto.

Os dois olham pra cima e observam a imensa bola de fogo que se deu pela explosão, merda cara o Hajime achou a gente, estamos fudidos Alec. Eu já disse pra calar a boca, com sorte ele morreu na explosão agora temos que correr ainda não estamos a salvo, e você é um merda mesmo trouxe os caras direto pra cá.

Vai se foder queria que eu fizesse o que morresse sozinho pra você ficar com toda a grana. Grana que grana só o que temos são números de uma transferência de uma conta bancaria de um cara que nem sabemos se existe.

Se o Hejime for um pouco esperto e ele é já rastreou nosso dinheiro e tomou as devidas providencias. Esse negocio estava mesmo com uma cara estranha. Onde foi mesmo que você conheceu esse tal de Tomas Powell?

Eu já disse cara já fiz vários serviços de invasão pro cara ele é negociador de informações um fantasma.

É então o puto vai lucrar ainda mais com protótipo que conseguimos pra ele? Você é um otário mesmo, com certeza esse nem é o nome dele, porra.

Os dois chegam ao final da escada que dando em um beco que sai numa rua atras do prédio do Hotel, Alec vê despontando na esquina no final do beco o brilho do cano de uma NK928 automática apontando na direção de Zack, o estrondo do disparo da arma e o impacto do pulso de energia contra a cabeça de Zack resultam em um jato de sangue que lava seu rosto, Zack esta morto caído ao pés de Alec que paralisado se da conta que não devia ter voltado para Manhatan, não devia ter aceitado o trabalho junto com 3 outros freelas de merda e definitivamente não devia ter voltado para o Sprawl.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Rodrigo Chaves’s story.