Depois de alguns anos sem, eis que compro um iPod novamente.

E foi no melhor estilo “i don’t have money”: usado. Como tudo da Apple, os iPods estão cada vez mais caros, o que só dificulta o acesso aos seus produtos. Até hoje não acho um note do mesmo modelo que o meu por preço menor do que o que eu paguei alguns anos atrás, também usado.

Enfim, estava cansando de passar alguns perrengues com meu celular atual, um Nokia Lumia 720. O aparelhinho é bom, mas tem horas que dá sinais de morte prematura, o que me fez ter muita vontade de comprar outro celular. Opções não faltaram, mas graças a Deus tive a oportunidade de comprar algo que realmente seria útil e por um preço mais do que aceitável: um iPod touch da última versão, de 32gb e pelo preço praticado nos States. Show de bola ou não?

Faz apenas alguns dias que o comprei, mas ainda assim tenho tido ótimas experiências com o pequeno. O sistema está ainda melhor do que na primeira versão que usei, bonito e funcional. Tudo funciona com rapidez e elegância. Os aplicativos são polidos e cheio de recursos que sinto falta no meu celular. O Spotify, por exemplo, funciona super bem, até mesmo como controle remoto do player no computador, o que é uma mão na roda às vezes. Por falar em Spotify, ele foi um dos motivos pra escolher um iPod. Com 32gb posso armazenar todas músicas que mais gosto, sem ter que guardar apenas algumas aqui e acolá. No meu celular o funcionamento não era dos melhores. Eu não podia baixar álbuns por completo, por exemplo, o que mudou no uso do mesmo pelo iOS.

Não só isso, mas o Instagram e outros aplicativos são bem mais legais de se usar do que no Windows Phone. Acho que as únicas exceções são o teclado (que tenho odiado), preferindo ainda o do WP, e o cliente Twitter, cheio dos posts patrocinados, algo inexistente no sistema da Microsoft. Bola fora da Apple!

Enfim, tenho curtido demais o aparelho. Sua leveza é muito estranha, e por vezes já escorregou da mão. Mas nada que uma capinha não resolva. Talvez tenha sido a melhor compra desse ano. Thanks God!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.