Incógnita

Não esperava te ver essa noite.
Já a encontro involuntariamente durante meus sonhos.
Sendo eles, quando pego no sono,
Ou para me confortar de não estar mais com você.

Sempre me pego pensando em te ter de novo.
Me recriei sem você.
Não mais pensava na probabilidade.
Ainda o trato como improvável.

Olho para os lados e me encontro à deriva de um mar de olhares.
Quando os nossos se cruzam
Já enxergamos incógnitas insolúveis, das quais não se conhecem.

Já não sei o que somos
Sei o que podemos ser, mas não o queremos.

Melhor assim.
Acredito em mim mesmo
Para viver até o fim do meu fôlego, sentindo sua ausência.