Letter of Intent — Rebecca Brandão

Meu nome é Rebecca, tenho 23 anos e nasci em Osasco, uma cidade localizada na região metropolitana de São Paulo. No segundo semestre de 2018, me formei em Engenharia Biomédica pela Universidade Federal de São Paulo.

O curso de Engenharia Biomédica é relativamente novo, que integra princípios de Engenharia e Ciências da Saúde, com a finalidade de desenvolver abordagens que melhorem os recursos de assistência à saúde das pessoas. Eu escolhi a Engenharia Biomédica porque tenho como objetivo transformar e impactar o mercado da saúde.

Eu tive a minha primeira oportunidade de realizar parcialmente esse meu propósito no começo desse ano, quando estagiei em um hospital público de São Paulo. Durante esse período de estágio, desenvolvi um projeto de melhoria de um importante processo utilizado nessa instituição, que reduziu em 30% os erros cometidos durante a execução desse processo. Considero esse projeto a minha maior conquista até o momento, pois d os resultados da otimização auxiliaram a melhoria no atendimento ao paciente.

No âmbito pessoal, eu sempre procurei contribuir com a comunidade em que estou inserida e, por isso, realizei alguns trabalhos voluntários de férias no Centro Cultural Alpha. Essa instituição é uma associação sem fins lucrativos localizada em São José dos Campos, que desenvolve projetos assistenciais, educativos e culturais que beneficiam crianças, jovens e adultos. Também participo há dois anos e meio da ONG Sonhar Acordado, que realiza atividades recreativas com crianças de bairros carentes. O objetivo dessas atividades é transmitir valores como caridade, esperança, dignidade e respeito. O voluntariado é uma experiência é gratificante e transformadora, pois conseguimos mudar realidades e, ao mesmo tempo, também é possível melhorar nossa capacidade de relacionamento com as pessoas, estimular a colaboração e trocar experiências.

Com 18 anos, eu saí da casa dos meus pais e fui morar em São José dos Campos, uma cidade que eu nunca havia visitado, para estudar. O período da graduação foi uma jornada de autoconhecimento e transformação e foi a experiência que mais me marcou, pois passei a morar com pessoas que não conhecia e que tinham pensamentos e hábitos totalmente distintos dos meus. Foi um desafio que me fez crescer muito e aprender a respeitar e conviver com as diferenças e a lidar com situações que muitas vezes não estavam em meu controle.

Morar sozinha também foi uma oportunidade de aprender a lidar com várias responsabilidades e desenvolver habilidades e capacidades como conciliação de tarefas, auto motivação e resiliência. Todos esses aprendizados que obtive me auxiliam tanto pessoal como profissionalmente.

No meu tempo livre gosto de ler — especialmente bibliografias de mulheres que fizeram a diferença em nossa sociedade -, de assistir séries e filmes e tenho grande amor por musicais. Também adoro viajar e, por consequência, conhecer lugares e pessoas novas.

Além desses hobbies, gosto de dedicar parte do meu tempo fazendo cursos de capacitação e me atualizando sobre novas tecnologias que podem auxiliar no cuidado e bem-estar das pessoas. Procuro sempre ampliar e aperfeiçoar meus conhecimentos, porque quero me tornar uma profissional valorizada, que não é apenas um instrumento em trabalhos automáticos, mas que exercita seus conhecimentos na resolução de problemas cotidianos.

Eu acredito que sou uma pessoa organizada, proativa e com grande capacidade de aprendizagem, mas penso que uma das minhas características mais marcantes é meu bom-humor. As pessoas com quem convivo me consideram uma pessoa engraçada e sempre procuro tornar o ambiente em que eu me encontro o mais leve e agradável possível, porque creio que dessa forma é possível ter melhores resultados, em qualquer contexto.

Penso que essa característica está intimamente ligada ao meu propósito de vida. Desde a definição do meu curso na graduação até as escolhas e atividades que faço no meu dia-a-dia, sempre procuro pensar no que orienta em toda a minha trajetória de vida: ajudar as pessoas. Quando eu estiver velhinha, gostaria de ser lembrada como alguém que sempre buscou ser melhor do que foi no dia anterior e que queria fazer a diferença na vida do máximo de pessoas possível.

Eu quero ser trainee na Johnson & Johnson porque acredito que meus valores, crenças e propósito estão alinhados aos da empresa. Além disso, é uma grande oportunidade de crescimento pessoal e profissional, por meio de desafios diários proporcionados pelo programa.

Minha mãe costuma contar que quando eu era bebê, tinha muita dificuldade para dormir. Como ela trabalhava durante a noite, isso era um grande problema. Mas essa situação mudou quando minha mãe conheceu a linha de banho para bebês da J&J, que segundo ela, era a única coisa que funcionava. Depois que eu cresci, os produtos J&J continuaram em minha vida, tanto no cuidado dos meus cabelos e pele como na higiene também. A Johnson & Johnson esteve presente em toda a minha história. Agora eu quero fazer parte da história da Johnson & Johnson.