Não quero criar polêmica, só o meu ponto de vista mostrar

Tenho que confessar que essa onda de polêmicas tem me deixado um tanto quanto saturada e me feito perder o total interesse de discutir certos assuntos muito relevantes. Simplesmente pelo fato de não existir mais a possibilidade de se apresentar pontos de vistas diferentes. Se a grande massa pensa de um jeito e você ao contrário: Para tudo! Você é um alienado.

Ao meu ver, um assunto que tem cada vez mais entupido minhas redes sociais é o aborto, levando a temática feminista de fundo, é claro. Cara, sejamos racionais e deixemos de lado religião, ciência, etc. O aborto é um assassinato! Eu entendo que vocês, nós, mulheres, queremos conquistar os nossos direitos, diretos esses, que há muito tempo se luta. E aí, eu paro para me perguntar: se eu quero tanto os meus direitos, porque tirar o direito de um pequeno ser viver?

Certa feita vi um filme, não foi um dos mais interessantes que já havia visto, contudo me chamou bastante atenção para a sua mensagem principal. O filme era ‘A caixa’, estrelado pela maravilhosa Cameron Diaz. O casal recebe uma caixa com um botão, caso acionado, duas coisas acontecem: eles recebem uma boa quantia em dinheiro e ao mesmo tempo uma pessoa morre. Os interessados que assistam a trama que é interessante. Para toda escolha uma consequência. É mais ou menos isso que está acontecendo. Cada mulher que pretende abortar, tem seus motivos, sejam eles: estupro, possível deficiência, irresponsabilidade, dentre n outros compreensíveis ou não. Assim como o casal poderia ter um motivo para apertar o botão por precisar daquela quantia para algum fim plausível ou não.

A mais pura, dura e crua realidade que não queremos assumir é que nós somos egoístas, colocamos o nosso eu em primeiro lugar e preferimos optar pelo aborto. ‘Meu corpo, minha regras’ sim, totalmente sim. Se você é gordinha e quer usar um top, se você passou dos 50 e quer fazer tatuagens ou piercings, usar mini-saia ou não, isso diz respeito única e exclusivamente a você. Não é esse ponto que tem ser pensado diferente. O que deve ser mudado é quando há outra vida no meio. Um ser inocente que não teve nada a ver com o que tenha acontecido externamente, ser posto em uma cadeira elétrica sem direito a ser defender.

Se você quer o seu direito de viver livre, de não ter que ser privar de vestir, andar e falar o que quiser, deixe o pequeno ser também livre. Não quero mudar sua opinião, só gostaria que parasse e realmente pensasse por alguns instantes longe de qualquer influência externa. Coloque na balança, monte seus próprios argumentos e opiniões.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.