O caminho

Quem me vê desesperada nos corres da universidade pode até achar que odeio esse lugar, mas na real, a UFRN é, disparado, um dos meus lugares favoritos de estar no mundo. Aqui eu fiz amigos, descobri verdades e mentiras, criei malícia, encontrei família, me inspirei, sofri, ralei, me apaixonei.

Acho que universidade é bem isso e tenho certeza de que fiz valer o conselho dado por Claudinho, meu professor de Geografia, em uma aula do pré vestibular em 2011, quando nos disse para não termos pressa de sair dali e nos envolvêssemos em tudo, ou quando ouvi de um tio meu, que muito me inspira culturalmente, citando sua passagem pela UFPE como tempos áureos e, também, recomendando que me envolvesse com tudo aquilo.

Hoje, finalizando meu penúltimo semestre, caminhando no TCC, tenho a certeza de que aproveitei as tardes na BCZM, aprendi a ser mais silenciosa que o normal no NEPSA, conheci a diversidade linda nos corredores do meu setor, que apesar de ser o mais tradicional e conservador, está geograficamente ilhado pelo LabCom, chinchila e maconhão. Ouvi graças à Deus? Graças à Deus! E acreditando nele, relembro ainda a fagulha que me fez querer enveredar pelo caminho colaborativo da universidade: o dia em que trocando de canal, me deparei com Bira, na TVU, falando sobre ela, a SOI! Foi paixão e na hora mandei e-mail para eles pedindo para ir na minha escola, na época, divulgar o projeto pras turmas do 1• ano. Virei delegadinha por 2 anos, tive o prazer de ter o senhor professor Ângelo como diretor, junto com tantas outras preciosidades que inspiram a ser parte da instituição.

Me marcou tanto que resolvi ir pelas Relações Internacionais na UFPB, mas a Administração pegou pelo braço e me mostrou o caminho pelo empreendedorismo, enquanto o MEJ, a ADM Consult e a academia, em especial, nos corredores do setor I, do Setor V, pegando briga com Seu chico pra ficar até tarde na antiga sala da empresa júnior, me mostraram SEMPRE, que a colaboração era meu caminho e que eu entendesse isso de uma vez!

Portanto, hoje, agradeço. Obrigada aos que passaram, aos que deixaram, aos que levaram algo de mim. Na UFRN virei mulher, crescida, perdendo medos e me descobrindo. E quer saber do que mais? A universidade pode até não ser o único ou o melhor caminho para uma vida confortável, mas é acolhedora à quem precisa e pra quem quer. Vai ficar saudade ❤

Like what you read? Give Rebeka Coêlho de Almeida a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.