Propósito

A gente cresce ouvindo: “o que você quer ser quando crescer”, “você tem jeito pra medicina”, “sempre brincou com lego. Vai ser engenheiro!”, e por ai vai…

Ai a gente cresce um pouco mais e chega no desesperador vestibular: quanta agonia pra resolver com menos de duas décadas de existência o que fará nas próximas quatro décadas que virão.

Ok, escolhemos, prestamos, passamos, entramos. Que área do curso vou seguir? “Você deveria ser professor”, “você tem que empreender”, “e trainee? Vai tentar quando?”. Segue o baile dos desavisados e você corre para as opções que estão alí na sua porta: movimento voluntário. São tantos…

A gente entra, se dedica e volta sempre para a mesma agonia: o que eu nasci para fazer? Do nada, todos os seus amigos “se encontram”, já sabem até o dia que irão se aposentar e você aí, na trigésima palestra motivacional sobre o famigerado PROPÓSITO. É um sentimento? Uma onda? Um meio de vida? Um estilo de vida? Ideologia? É uma organização? Um movimento? E ai, pluf! Mais um monte de colegas voluntários se descobrem com propósito e bate o desespero. Você tenta de um jeito, não combina, tenta de outro, não gostam e você se decepciona, tenta mais uma vez. De tanto tentar e não se analisar, você pira e resolve: não quero mais saber. Não tenho e nunca vou ter. Põe as pernas para cima na rede e passa uma estação olhando o teto e o passado. De repente, no mesmo ‘pluft’ que aconteceu com seus amigos, você se descobre. Descobre que não é um lugar, não é profissão, não é organização ou onda. É você. É o que você sempre fez e sempre fará.

Propósito… ah, à propósito, não corra atrás dele. Ele já está com você mas pode nunca ter nome. Essa história foi mais uma daquelas ideias gourmetizadas que passam na vida da gente para tornar o simples, complexo e impressionante. Aos olhos dos outros. Aos meus, continua sendo apenas o que você sempre foi. E sempre vai ser. O propósito é forte para guiar todas as nossas ações inconscientemente, já que é força motriz de todas elas. Auto análise ajuda, mas às vezes é melhor parar. É melhor SER. O propósito não vai chegar nunca. O propósito sempre esteve bem aí, debaixo do seu nariz, te acompanhando em tudo e a todo instante te impulsiona. É a sua perspectiva. É a forma como você encara a vida e como reage ao que a vida faz com você. Viva e seja quem sempre fora. Corpo, mente e vibração.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Rebeka Coêlho de Almeida’s story.