Pais mimimi

Tenho visto milhares de pessoas bradando por aí que o problema do país é a educação, inclusive eu caio nessa falácia, e a maioria deles diz que não consegue fazer nada por que nossas crianças estão em escolas sucateadas, com famílias problemáticas e sem condições de mudanças.

Ok, até continuo concordando. Mas uma coisa me fez enxergar o outro lado. Vocês já foram crianças né? Vocês se lembram de como era? Até na minha época de escola não tinha essa coisa de bullying, era só “zueira”; os sentimentos infantis não eram levados a sério os pais falavam “para com isso, é frescura”, “quando casar sara”. Tínhamos que estar felizes com o que tínhamos e só. A liberdade era um ponto que nos ajudava a abstrair muita coisa, podíamos sair até a casa do amigo sozinhos, os que pegaram o início da Internet (bem menos prejudicial que hoje em dia) podiam conversar com pessoas que nem conheciam…

Agora olha essa galera crescendo trancado, com os pais enfiando coisas em suas cabeças que não pode isso nem aquilo é muito menos aquele outro. Sair na rua é perigoso, conversar com pessoas é perigoso, se alguém te chama de chato na escola tem que avisar o professor, os pais, os pais do colega, a diretora, a psicóloga, fazer palestra educativa sobre bullying… que sociedade chata!

Calma lá, não discordo dessas coisas, faço terapia por muitos fatores inclusive ter sofrido bullying. O ponto é outro. Como esses pais que cresceram mais “livres” criam essas crianças? Vejo pelo menos um quilo de leite com pêra e ovomaltino. Eles tem medo de não serem amigos dos filhos, como reza a cartilha de pais modernos, não querem restringir nada, outros não ligam mesmo, alguns quando não conseguem o respeito tentam forçar a barra com o “me respeita que sou teu pai” mas sinceramente como querem que essas crianças se tornem adultos conscientes?

A educação vem de casa (disse algum filósofo contemporâneo e muito sábio) vem de casa saber o limite. Se você dá o exemplo seu filho vai comer direitinho, vai estudar ou pelo menos entender que tem que estudar, vai respeitar o professor, o tio da cantina, o motorista do ônibus, inclusive você. Não vai bater na namorada/namorado, não vai trair porque vai entender que se acabou o amor não tem mais motivo de ficar com ele. Vai respeitar as raças, crenças e toda diferença. Mas isso só vai acontecer se VOCÊ der o exemplo.

Não existe superpais, nem superhumanos todos temos nossas falhas e defeitos mas o mal está em nós pensarmos que a unica solução está nos outros e não em nós.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Renata Casanova’s story.