Não precisa ser Gênio para entender de Lâmpada

Quem nunca comprou uma lâmpada para o quarto e quando foi ver era branca demais? Ou forte demais? Com tantos modelos disponíveis no mercado, comprar a lâmpada correta para o seu ambiente pode ser um grande desafio. Por isso, preparamos algumas dicas que são uma mão-na-roda na hora do aperto.

Saiba o que procurar…

O primeiro passo é saber o que está procurando. É certo que a iluminação depende do gosto do freguês, mas algumas diretrizes são básicas para qualquer decisão.

Tenha em mente o ambiente e seus usos diários para entender sua necessidade, nesse momento você compreenderá se precisa de uma luz mais forte ou fraca (fluxo luminoso); amarela, neutra ou branca (temperatura de cor); decorativa, pontual ou geral (tipo de lâmpada).

Se já existe uma luminária no local, se atente às suas especificações, principalmente às que dizem sobre o tamanho da lâmpada e tipo de encaixe da luminária com a lâmpada.

Lembre-se que estamos falando apenas de lâmpada, não de tipos de iluminação!!!

Conheça os diferentes tipos de lâmpada…

Aqui vamos falar, de uma maneira geral, dos principais modelos para uso residencial.

  • Incandescentes: Esse tipo está em desuso (o planeta agradece!) por ser de baixa eficiência. Ou seja, gasta muita energia para produzir pouca luz e muito calor, além de ter pouca durabilidade (vida útil).
  • Halógenas: são utilizadas para iluminação pontual de destaque, por apresentar alto controle do facho de luz. Também são consideradas lâmpadas incandescentes e produzem calor, mas por possuírem halogêneo (bromo ou iodo) em sua constituição, são chamadas de lâmpadas halógenas.
  • Fluorescentes: as mais utilizadas atualmente, por apresentar alta eficiência, baixo consumo de energia e custo. São bastante utilizadas para iluminação geral (lustres, pendentes e plafons) e para iluminação decorativa (arandela, abajur e tocheiro).
  • LED: converte energia elétrica diretamente em energia luminosa, apresenta baixo consumo de energia e alta durabilidade (vida útil). Pode ser utilizada para iluminação pontual de destaque, geral e decorativa.

Entenda as informações da caixinha…

As informações que aparecem na caixinha dependem do tipo da lâmpada e do fabricante: em uma lâmpada fluorescente, por exemplo, você não encontrará a informação de ângulo do facho de luz. Fizemos uma lista de todas as informações que podem ser encontradas.

  • Potência (W-watts): engana-se quem acha que potência está relacionada a quantidade de luz (forte ou fraca). Potência está relacionada com o consumo da lâmpada, ou seja, quanto ela consome para produzir aquela quantidade de luz. Quanto maior o valor, maior o consumo.
  • Fluxo luminoso (lm–lumens): o fluxo luminoso sim, está relacionado à quantidade de luz! Trata-se da quantidade de luz emitida, em todas as direções, por uma fonte luminosa. (Na hora da compra, é interessante analisar a eficiência da lâmpada, ou seja, saber se ela ilumina bem de acordo com o consumo que ela tem. A eficiência luminosa (lm/W) expressa a luminosidade da lâmpada (fluxo luminoso) por watt consumido (potência), portanto, quanto mais eficiência luminosa ela tiver, mais eficácia ela tem.)
  • Intensidade luminosa (cd-candela): algumas lâmpadas, como as de foco halógenas, não trazem informação de fluxo e sim de intensidade. Intensidade luminosa é a medida da radiação emitida por uma fonte de luz em uma determinada direção.
  • Temperatura de cor (K–Kelvin): diz sobre a cor da LUZ, quanto mais alta a temperatura, mais clara a cor. Chamamos de quente a cor mais amarelada, relacionando-a ao calor do sol na zona tropical, e de fria a cor mais azulada relacionando-a ao frio do gelo dos pólos da Terra. Os modelos mais comuns encontrados no mercado são de 2700K-3000K (branco quente — luz mais amarelada); 4000K (branco neutro); 6500K (branco frio — luz branca-azulada). Ela também pode se apresentar na opção colorida-RGB.
  • Tensão (V-volts): é muito comum a confusão entre tensão e potência. Tensão é o que alimenta a lâmpada, que pode ser de 127V e 220V, o que determinará isso será a tensão instalada em sua residência.
  • IRC (Índice de Reprodução de Cor): sabe aquela diferença de cor que dá quando mudamos de ambiente ou quando provamos uma roupa na loja e depois em casa? Índice de reprodução de cor (IRC) define em quanto a luz artificial consegue imitar a luz natural do sol. Quanto mais próximo da luz natural for o índice, maior será o número e maior será a fidelidade da cor do objeto iluminado.
  • Vida útil (h-horas): diz sobre a durabilidade média da lâmpada. Um fator importante a ser considerado, pois quanto maior a sua duração, menos trocas serão feitas e consequentemente, menos descartes (novamente, o planeta agradece!).
  • Ângulo: nem todas as lâmpadas trazem essa informação, são mais comuns às lâmpadas halógenas. O ângulo está relacionado com a abertura do facho de luz, quanto menor o ângulo, menor o facho de abertura e mais focada será a luz.
  • Base: diz sobre o tipo de encaixe da lâmpada na luminária.

Dica…Procure por fabricantes confiáveis.

Ficou com alguma dúvida? Entre em contato com reFABRIKE, temos uma equipe especializada pronta para te ajudar!