Johnny e os carneirinhos

Johnny era um cara normal, cinco dedos nas mãos, patas reluzentes, até o dia que se ouriçou por um guarda-sol amarelo. Johnny nunca tinha visto tamanha beleza e logo pensou: um dia é da caça, outro do churrasco da caça. Desde esse dia Johnny tem contado carneirinhos para acordar todas as manhãs, sem pular uma.

Porém esta manhã, Johnny testemunhou algo que lhe chamou muito a atenção: em coro, um único pica-pau cantava Madonna na janela de seu quarto que dava para um muro de execuções de desistentes de jogos eletrônicos. Como que por mágica, ou efeito de alucinógenos, Johnny pensou: a vida não faz o menor sentido. Voltou a dormir. Ou talvez tenha acordado, não se sabe ao certo, os carneirinhos mudam muito de opinião.