Sobre a romantização da Depressão

Muito se fala sobre viver na depressão ser uma luta diária, os fortes vencem, que estamos fadados a viver isso um dia e que temos que respeitar quem tem.

Ok, respeito todos merecemos e fazer disso algo especial chega a ser esdrúxulo.

Ter depressão é um estado de espírito traumático para todos que tem esta experiência no seu círculo social. Você não sabe o que falar ou fazer, apenas espera alguma reação da pessoa, e muitas vezes ela não faz nada.

Ser depressivo é bem mais que ficar em casa e se trancafiar nos problemas, resmungar nas redes sociais ou para pessoas aleatórias. O que dá mais medo, e é mais necessário, é sair de casa, encarar as pessoas te julgando por estar cabisbaixa ou verem que você não se arrumou “de acordo com os padrões”.

Algo que me ajudou a superar a fase difícil em que sempre me encontrei foi a leitura, os filmes da sessão da tarde e escrever. Mas fiz isso por mim, pra viver melhor e ser mais sociável.

Foi difícil sair de casa pra arrumar trabalho ou estudar, mas eu encaro de frente todas as possibilidades da minha vida porque cansei de me render a algo que me enfraquece, me anula.

Algo que sempre faço é me motivar através do desconhecido, eu penso naquelas pessoas que não tem as mesmas condições/oportunidades que eu. Que vivem com o básico do básico e são felizes, as pessoas que já foram assaltadas mas mesmo assim continuam saindo de casa.

“Elas acharam um jeito e eu vou encontrar o meu também” este é meu mantra, é o que me faz levantar de manhã e me faz ir atrás dos meus sonhos.

Nunca, jamais romantize a depressão, não a transforme num poema melódico, não espalhe-a ainda mais. Não é um desabafo que fará você virar o jogo, isso é com seu íntimo, é você que terá que avançar casa por casa até sair da caverna e enfim ver que o Jogo da Vida pode ser mais bonito.

Like what you read? Give Veronice de Fátima a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.