Análise de ABC 2 X 0 Remo — Série C 2016

Já se sabia das dificuldades a serem enfrentadas ao jogar em Natal. Dificuldades essas também pelo fato do adversário saber jogar muito bem em seus domínios e executar sua proposta de jogo com clareza. Tanta clareza que era clara a necessidade de compactar as duas linhas e contar com uma boa recomposição dos lados para proteger os laterais e evitar o jogo da segunda bola tão utilizado pelo ABC.

Tendo os desfalques de Max e Wellington Saci, Waldemar Lemos não fez mudanças bruscas, optou pelo básico e escalou Ítalo e Jussandro, aproveitando-se do fato de que a postura seria mais reativa e posicional por se tratar de um jogo fora de casa. O restante da equipe foi a mesma, com Schmöller e Yuri como volantes, linha de três com Marcinho Eduardo Ramos e Fernandinho e Edno como centroavante.

Posicionamentos iniciais de ABC x Remo

De início ficou clara a postura do ABC: não teriam pressa para chegar ao gol adversário. A intenção era atrair o Remo com passes laterais entre a dupla de zagueiros e Anderson Pedra para aproveitar a projeção surpresa de Alex Ruan ou Filipi Souza. Tarefa facilitada pela debilidade física de Eduardo Ramos, que deixava apenas Edno dar o primeiro combate contra três jogadores circulando a bola tranquilamente.

Geralmente davam 5 passes entre esses três jogadores para aí sim haver o lançamento diagonal para um dos laterais em projeção no lado oposto ao da bola. Esse é um dos princípios de jogo de Geninho, que busca povoar o lado para onde a bola é alçada e ficar com a segunda bola procurando o jogo entrelinhas através de apoios e aproximações. Lúcio Flávio e Erivélton centralizam para a subida dos laterais, contam com a aproximação de Nando ou Jones Carioca e assim conquistam a superioridade numérica para só então executar o jogo apoiado.

Anderson Pedra era o executor dos lançamentos, estando sempre livre, pois apenas Edno combatia. Por isso se fazia necessária uma boa recomposição dos extremos, visando brecar essa aproximação e proteger os laterais. Marcinho e Fernandinho foram mal nesse quesito, haja vista que faziam marcação ativa na segunda bola, não impedindo as projeções iniciais dos alas adversários, e assim chegavam atrasados nos combates.

Com os laterais espetados e bem abertos dando amplitude e com dois atacantes segurando os zagueiros, a distância entre zagueiros e laterais do Remo era grande, permitindo infiltrações sem bola para triangulações por ambos os lados. Com a centralização dos meias, as entrelinhas eram completamente ocupadas por adversários em virtude da descompactação e das perseguições longas ao adversário.

Lançamento diagonal que buscava um lateral com a intenção de reter a segunda bola e gerar jogo apoiado a partir de então. A distância entre zagueiros e laterais permitia infiltrações e combinações diretas, já que os dois atacantes davam muita profundidade ao ataque.

A intenção de atrair o Remo era feita com passes entre os zagueiros, mas também pela movimentação de Guedes, que chamava Yuri para subir no terreno e deixar apenas Michel Schmöller mais fixo. Assim, conseguiam gerar jogo às costas dos volantes, com Lúcio Flávio, Erivélton e Jones Carioca recuando e jogando na entrelinha com 20 metros de terreno para criarem.

Essa movimentação não foi percebida por Waldemar. Era a fonte de iniciação dos ataques adversários. É fato que Eduardo Ramos, se estivesse em condições, fecharia a linha de passe de Anderson Pedra, contudo, o sincronismo entre recuo e infiltração estava sendo bem executado na tentativa de aumentar o espaço efetivo de jogo. Nossos volantes são bem posicionais e geram jogo, mas com os encaixes com perseguições longas, abrem espaço atrás e alongam a equipe, permitindo o povoamento do setor médio-defensivo.

Movimentação de Guedes atraía Yuri e deixava apenas Schmöller para resguardar a defesa. Assim, a segunda bola ficava a cargo do adversário, sempre em superioridade numérica na entrelinha e nos flancos.

Quando teve o rebote, a proposta do ABC era aproximar o lateral, um dos atacantes e um dos meias. Essa triangulação confundia a marcação, pois os desmarques tiravam as referências, principalmente da dupla de zaga no segundo tempo. Com a perda da referência, nossos jogadores não sabiam se acompanhavam o marcador ou se guardavam posição, e essa indecisão era abria a possibilidade da tabela e criava espaços nos flancos e na região central.

Movimentações na faixa central e nos flancos que tiraram as referências dos jogadores azulinos, derrubaram a compactação e desguarneceu a zaga, sempre exposta ao mano a mano.

Um outro detalhe foi a demora no tempo de reação às jogadas. Os jogadores estavam muito estáticos, partindo sempre uns segundos atrasados, fazendo com que as coberturas defensivas fossem ineficazes. Ter como sub-princípio a zona pressionante requer boas tomadas de decisões e bom tempo de reação, e isso nós não tivemos no jogo, prejudicado ainda mais pela descompactação forçada pelo adversário com a estratégia de atrair para só então avançar.

Quando se marca zonalmente com perseguições curtas, é preciso haver recomposição e delimitar quadrantes de atuação. Se não há recomposição efetiva, os quadrantes são povoados pelo adversários com movimentações de desmarques de apoio e ruptura, gerando chances de finalização. Esse pequeno grande detalhe nos deixou à deriva na marcação e sem saída para os contra-ataques.

Quadrantes de marcação ocupados de maneira equivocada na segunda linha defensiva. Isso permitiu a criação de jogo através de apoios e descompactou a equipe, sempre tendo que correr atrás do adversário.

A estratégia para a partida foi a correta, mas não soubemos operacionalizá-la e tivemos algumas escolhas erradas. Eduardo Ramos não poderia ser escalado debilitado fisicamente, pois o modelo de jogo do ABC exigia que a marcação aos volantes fosse ativa e pressionante para evitar as transições diagonais para os laterais. Não marcá-las foi meio caminho andado para oferecer ao adversário a chance de ficar à vontade na partida.

O outro erro foi de execução das prerrogativas que as funções exigem. Recompor corretamente é fundamental para combater um jogo direto e que gera troca de passes apenas a partir do último terço do campo. Não soubemos fazer nossos princípios emergirem na partida e tivemos que sempre reagir ao que o adversário propôs, tendo que contar muitas vezes com erros de execução nas jogadas para poder sairmos e desafogarmos o jogo.

É importante ressaltar que não fomos dominados na partida, mas fomos muito bem controlados e, em um campeonato tão equilibrado, já é suficiente para não obtermos um resultado positivo. Jogar de maneira condicionada não está errado, mas é possível controlar sem ter o total domínio. Estávamos condicionados pela estratégia, mas fomos controlados pela má execução dos princípios que norteiam nosso jogo.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.