Eu o amei, e ainda o amo.

Eu não cheguei a ve-lo, nem te-lo em meus braços. Eu o amei, e ainda o amo, eu senti seu carinho dentro de mim, eu senti que eu poderia ser maior do que tudo na vida, eu senti que poderia ser a mãe que todo filho quer ter. Eu sonhava em ver teu rosto, sonhava que um dia te diria tudo que passei na vida e resumi que no final, a gente encontra um amor maior que o nosso, o amor por você, filho.

Eu amei e ainda amo, eu pude ver em uma tela que você estava ali, uma coisinha tão pequena que me trouxe uma imensidão sem tamanho, e eu sinto muito sua falta. Hoje você estaria perto de vir para meus braços, eu me sinto vazia, uma parte de mim se foi, e uma saudade incontrolável me tortura todos os dias.

Por muito tempo me perguntei porque logo eu, porque você, muito tempo não aceitei o fato da separação entre nossos corpos, foi a maior dor que senti como mulher. Eu digo isso hoje porque antes me doía lembrar, mas eu percebi que ser mãe é independente de ter perto ou longe, sua ausência, filho, nunca mudará meu amor.

Foi meu primeiro amor, continua sendo. Eu aprendi muito e descobri o que é o sentido verdadeiro do amor, te agradeço, agradeço ter te sentido por alguns meses em mim, por ter me mostrado a beleza que é a vida, por ter me mostrado o quanto devemos agradecer a nossos pais seus cuidados, pois o que eles mais temem é algo que algo ruim nos aconteça. Eu teria trocado minha vida pela tua, meu amor. Eu me ajoelhei e disse a Deus que ele fizesse da vontade dele, e ele fez. E hoje eu peço que de onde você estiver, saiba que mamãe nunca vai esquecer de você, e te ama mais do que tudo nessa vida, mais do que eu mesmo. És o anjo que sonhei em ter, e hoje tenho. Mais uma vez, eu te amo filho.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.