O tempo.

Alguém me disse algo sobre o tempo, sobre o passado e o presente, sobre o principal que é o futuro. Me disse que o tempo não para enquanto nos entregamos a sofrer, me disse que ele não para enquanto ficamos na duvida em qual caminho devemos seguir, me disse que ele não para pra que possamos entender ele.

O tempo não volta. É uma frase que parece ser óbvia mas se aprofundarmos um pouco enxergamos a tal realidade, ele não volta depois de termos tido o orgulho desnecessário, o erro cometido a troco de nada, ele não volta para nos fazer bem nem muito menos o mal.

O tempo ele segue em frente, o dia morre e nasce novamente, o que foi vivido morreu com o nascer do sol, o que foi dito ficou no segundo atrás, o que foi feito passou e não se foi visto mais. O que deixamos de fazer atrasa o amanhã que seria para uma nova descoberta, uma nova etapa, um novo capítulo, porque o tempo corre, ele não para, nem muito menos anda pra trás.

O tempo machuca, ele maltrata, embaraça o caminho e trás chuva, mas também cicatriza as feridas e abre o sol quando a tempestade passa, só ele, o tempo, que pode fazer isso.

O tempo é sincero, nos faz crescer e se arrepender de algumas coisas na vida, porque somos humanos e erramos, e não aprendemos com o erro, pois no fundo, gostamos um pouco de errar. Porque achamos que vai da certo talvez, e o talvez pode da certo, então entre as dúvidas a única coisa que podemos fazer para ver o resultado é esperar o tempo passar.

O tempo é curto, curto demais pra se viver uma vida, curto demais pra lembrar de tantas feridas, ou de coisas que deixei passar. O importante é viver o agora, e deixar o tempo viver comigo o futuro que ao invés de viver, eu estava deixando passar.

Like what you read? Give Renalli Barros a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.