Democracia brasileira e a jabuticaba

Passadas algumas horas do afastamento definitivo de Dilma Rousseff da presidência do Brasil, por 61 votos a 20, às 15h36 desta quarta-feira, analistas políticos e agentes econômicos já haviam esgotado, no início da noite, os possíveis cenários do país para os próximos dois anos e quatro meses do novo governo — o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pode, ainda, caçar a chapa Dilma-Temer, exigindo novas eleições e testando, novamente, a solidez das instituições brasileiras.

Desde as apostas mais pessimistas, pautadas por um cenário econômico grave, a divisão de uma sociedade dividida desde a eleição presidencial de 2014 e de uma base parlamentar de apoio ao novo governo que já nasce divida com a articulação de parte dos senadores do PMDB para permitir que Dilma possa ocupar cargos públicos e não fique inelegível até as mais otimistas, que preveem a retomada da atividade econômica e a redução da ebulição social com o aumento do poder de compra, o debate acalorado que ainda reverberá saiu de um acordo costurado por aliados da ex-presidente.

O fatiamento da votação reforçou a falta de convicção do Senado Federal em afastar a presidente eleita, como reiterado diversas vezes pela defesa da ex-presidente ao longo do julgamento. O crime cometido por Dilma foi grave o suficiente para interromper o mandato, mas nem tão grave que a impeça de assumir, amanhã, um cargo em um governo aliado, tampouco de disputar novas eleições?

A situação remete a célebre frase do economista Mário Henrique Simonsen:

Se só existe no Brasil e não é jabuticaba, pode saber que é besteira.

O momento atual da democracia brasileira, entretanto, parece desafiar o ex-ministro. Vivemos uma nova jabuticaba devido a uma besteira cometida por senadores brasileiros. E só o futuro responderá o sabor dessa jabuticaba, assim como seus efeitos em nossa sociedade.

*Renan Rodrigues é jornalista graduado pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), tem 22 anos e é, atualmente, repórter de um jornal diário da capital fluminense.