Talk to myself

Me aproximei do satanismo já faz um tempo.

(achei que ia ser pesadão começar o texto assim)

Mas não o satanismo religioso performado por Black Sabbath, apesar de esse ter sido uma das minhas primeiras influências para o estudo da coisa (inclusive, playando a lenda enquanto redigo: https://www.youtube.com/watch?v=C6OKu0_WNvY).

O Satanismo é mais estudado como uma “ideologia”, eu diria, do que como religião, inclusive, não tão adversa ao cristianismo como parece. Podendo ser algo que se considera ou não, pois não é tão relacionado a alguma fé divina, e sim de fé em si.

Mas para explicar dinamicamente, eu não vou ter a mesma didática do old vlogger (agora, youtuber): https://www.youtube.com/watch?v=IhuwkSs_xt0.

O que eu quero trazer é a volta do tema para mim, através da música de Richie Kotzen, “Doin’ What The Devil Says To Do” (https://www.youtube.com/watch?v=CBPJg0bsY-s, cheio de links o texto hoje), onde o “falar com o demônio” é muito diferente da conversa endemoniada de Black Sabbath.

A letra de Kotzen tem o cunho de conversar consigo mesmo, que, sabendo do estudo registrado do satanismo, logo se entende o refrão/título da canção.

Acontece que essa música me fez perceber que, uma letra que fiz para nossa banda, Gardenia (facebook.com/gardeniafuzz links muitos links), trazia o mesmo tema, a conversa que temos sozinhos, a persona de mim que costumo chamar de ‘auto crítica terceira’, traz o mesmo conceito de auto resolução de problemas através de decisões próprias.

Explicado o motivo que me levar a divagar sobre o tema, abaixo, a letra de “Auto Crítica Terceira”, composição de Renan Bernardi e música (ainda não registrada), de todos os membros gardenicos, Marcelo Bif e Daniel de Miranda and eu:

“Talvez por medo de conviver sozinho

Criei a auto crítica terceira

Pra me acompanhar pelo caminho

Ou talvez só por brincadeira

Pra conversar a sós, comigo

Sobre problemas de trincheira

Não de alguém e um inimigo

Mas de mim, e minha vida inteira

Mas eu não quero te calar

Auto Crítica Terceira

Talvez eu seja mais um lunático

Eu e meu amigo imaginário

Mas prefiro viver assim, errado

Do que comigo, solitário

Mas eu não quero te calar

Auto Crítica Terceira.”

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Renan Bernardi’s story.