Se o seu ano foi uma droga, fique tranquilo: 2017 não tem como ser pior

Reprodução

Já parou pra pensar na quantidade de gente que chegou na conclusão: que ano de m… esse 2016! No campo político, passamos no Brasil por um processo doloroso de impeachment e de Fla-Flu das discussões. a Lava Jato está devassando a classe: talvez não reste um político que possamos chamar de honesto. A sensação de desilusão é intensa. Não nos sentimos representados. Isso sem contar a crise econômica que não arrefeceu mesmo com o novo governo.

As tragédias também foram em grande quantidade, o que reforça a sensação de que o ano foi ruim para todos. Tivemos o maior desastre com um time de futebol e com jornalistas brasileiros — a queda do avião da Chapecoense, que comoveu não só os brasileiros, mas todo o mundo. Perdemos ícones do esporte, como Mohamed Ali, e da música, como David Bowie e Prince.

Para a numerologia, tudo isso tem uma explicação. A soma dos números de 2016 dá nove, o que significa o fim de um ciclo. Todo o fim de um ciclo gera profundas transformações, e nem sempre é um processo saudável.

Claro que 2016 não foi ruim para todo mundo. Espero que você que esteja lendo este texto se encaixe nisso, e use a caixinha de comentários para contar a sua história.

Mas se o seu 2016 foi uma droga, fique tranquilo: 2017 não tem como ser pior. A economia brasileira vai render um pouco mais do que ano passado, dizem as previsões. Apesar da previsão de alta ter sido reduzida, o desempenho será bem melhor neste ano em comparação ao passado. E isso certamente acarretará em mais oportunidades de trabalho.

Ah, mas como você se encaixa em tudo isso? Simples. Use estes dados como estímulo para buscar as respostas que precisa e fazer com que seja o ano da virada. Pense que mesmo em tempos de crise, existem setores que crescem. Veja nestas matérias:

Folha (janeiro de 2017): Procura-se profissional flexível: veja quais carreiras irão ‘bombar’ em 2017

Nexo (outubro de 2016): Por que o setor audiovisual cresce mesmo com a economia em baixa

FecomercioSP (maio de 2016): Mercado de luxo cresce mesmo com a crise

G1 (março de 2016): Pesquisa mostra 15 profissões que cresceram em meio à crise

A solução dos seus problemas virá com mais atitudes e menos reclamações. E aí, vai fazer a sua parte?