O choro é livre

Quase nunca choro por nada. Não significa dizer que sou uma pessoa fria, mas não choro. No entanto, nesses últimos dias estou parecendo uma chorona descontrolada, algumas coisas eu sei o motivo do choro e outras não.

Escolhi falar de chorar porque acabei de assistir um filme sobre dislexia e chorei do começo ao fim. Que filme lindo, delicado e emocionante, o nome do filme é Como Estrela Na Terra (o link do youtube tá aqui no final para quem quiser assistir). Quem me sugeriu foi uma amiga que leu o meu primeiro texto aqui no Medium e indicou logo eu ter um lencinho na hora de assistir. Afff, como eu chorei. Chorei porque sinto empatia e chorei porque teve horas que me via no lugar do menininho.

O choro é livre. Acho lindo quando pessoas choram do nada ou choram quando veem uma cena que arranca emoção. Tenho umas primas bem choronas, que são capazes de chorar se uma folha cair no chão. Eu tenho até inveja. Que nem falei anteriormente, eu não choro por quase nada. Só consigo chorar sozinha. Por exemplo, eu posso estar assistindo o filme mais lindo e emocionante da face da terra, mas se tiver qualquer pessoa do meu lado eu não vou conseguir chorar. Acho que é vergonha, não sei.

Maaas, ultimamente to chorona. Choro na frente de todo mundo, pra quem quiser ver. To chorando até quando assisto The Voice Kids. Afff, aquele programa me mata. To chorando em filme no meio sala, to chorando para minha irmã sobre algumas coisas na minha vida que não vão bem, to chorando na novela Eita Mundo Bom!, to chorando vendo uma criança brincar… enfim, to chorando! Acho bom chorar, lava por dentro.

Nem sempre o choro está ligado com a tristeza, mas eu gosto de chorar quando estou triste. É como se eu realmente fosse no fundo do poço, abraçasse a Samara e voltasse. Gosto também de ter pena de mim mesma. É engraçado. Quando eu era criança eu gostava de pegar uma foto minha, mais novinha ainda, e chorar sozinha abraçada com ela. Hahahahahaha. O único pré-requisito da foto era que eu tinha que estar feia ou com cara de triste. Aí eu deitava na minha cama e chorava com pena de mim mesma. hahahahahahahha. Já fiz isso com uma foto da minha mãe novinha, bem bebezinha. Freud deve explicar isso, se não explicar não me importa, eu não pretendo ir atrás para saber por qual motivo isso acontecia.

Enfim, to feliz porque estou chorando mais. To me achando mais livre, liberando mais meus sentimentos. Então, caros leitores, chorem. O choro é livre, o choro é bom!

Link do filme: https://www.youtube.com/watch?v=b6J0CCuA11w

Beijos,

Albertim

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Renata Albertim’s story.