Home Office e estilo de vida. O que aprendi trabalhando remotamente por 5 anos

Passar anos trabalhando em casa não foi um plano arquitetado por mim, aconteceu naturalmente e foi se revelando um novo estilo de vida. Olhando para trás enxergo, além do aprendizado, uma grande experiência de auto-conhecimento.

Desafiando paradigmas

Não é preciso entrar no mérito de que a tecnologia e a internet revolucionaram a forma como nos relacionamos e exercemos nossas atividades profissionais. Faz 15 anos desde que comecei a trabalhar e ganhar meu próprio dinheiro. Curiosamente, 1/3 desse período foi trabalhando de casa, para empresas que ficam a no mínimo 1000km de distância.

Aproveitando essa data, resolvi colocar no papel alguns pensamentos de como podemos quebrar alguns paradigmas corporativos tradicionais, enumerando alguns prós e contras que vejo nessa experiência.

Home sweet… office

Moro em Brasília e essa oportunidade chegou pra mim através da conexão com o meu irmão que vive no Rio de Janeiro. Ele estava abrindo a agência Café das 4 e eu, que já gostava de brincar com design, estava me aventurando na web, criando alguns sites e estudando html/css. Aceitei o desafio de entrar pro time e aí se iniciou a jornada.

É claro que trabalhar em casa exige algumas características e habilidades que não compõem o perfil de todas as pessoas. Pensando pelo lado da empresa, contratar um funcionário que está em outra cidade ou país, requer uma confiança imensa, além de um fluxo de trabalho bem organizado. Já por parte do profissional, pra conseguir boas oportunidades vejo que é essencial buscar estar em um bom nível na sua área e principalmente gostar muito do que faz. A responsabilidade será diária e muito provavelmente você passará boas horas do seu dia nessa empreitada.

Uma questão básica é que o espaço de casa, antes de estar projetado para o trabalho, é onde vivemos nossa vida. Temos muitas atividades em casa além de trabalhar. A partir do momento que nossa mesa de escritório se localiza a dois passos da cama, "as vidas" pessoal e profissional co-existem no mesmo ambiente. São inúmeras as formas de distração e para se acostumar é preciso evitá-las a todo momento.

Algumas atitudes para obter sucesso trabalhando remotamente não dizem respeito às qualidades técnicas em si. Envolvem aspectos da vida como responsabilidade, disciplina, organização, comprometimento e honestidade. É algo que transcende o perfil profissional.

Logo no início percebi que para manter um fluxo bom pra todos seria importante dar status e manter sempre os envolvidos informados, seja qual for a notícia. É essencial uma boa comunicação, principalmente de forma escrita. Tanto para o bom andamento dos projetos quanto para resolução de problemas é necessário se expressar bem e de forma transparente.

Isso solidifica a relação de confiança, fortalece o vínculo e se reflete em bons resultados. Atualmente ferramentas como Slack, Skype, Google Hangouts e Trello fazem parte do dia-a-dia. Na minha equipe temos profissionais de vários estados do Brasil que atuam juntos em diversos projetos.

Enfrentar e resolver situações tensas, sozinho fisicamente e à distância, me ajudaram a evoluir profissionalmente e sem dúvidas trabalhar também o auto-controle.

Exército de um homem só

Com o decorrer do tempo fui sentindo a necessidade de melhorar minha organização pessoal, gerenciamento das minhas tarefas do dia-a-dia e a gestão financeira. Abri minha empresa individual e passei a ter o controle financeiro pessoal e profissional mais separado, emitindo notas fiscais e atuando como meu próprio contador. São atividades que também gastam tempo e é preciso se programar pra fazê-las.

Outro importante passo foi montar meu home-office em outro cômodo, separado do quarto e com uma entrada independente da casa. Uma estrutura legal que me permitia até receber clientes mais próximos. Estava administrando uma empresa, atendendo clientes de várias partes do país e movimentando as finanças sem sair de casa :)

Home office x qualidade de vida

Trabalhar remotamente me trouxe alguns benefícios imediatos que impactaram positivamente na minha qualidade de vida, porém a longo prazo vieram dificuldades e novos desafios. Para citar algumas vantagens:

Flexibilidade de horários

De acordo com o formato de trabalho, poder alternar horários ajuda na produtividade. Com o tempo fui percebendo os tipos de atividades em que era melhor realizar pela manhã, à tarde ou eventualmente à noite.

Conforto

É claro que eu também não trabalho de pijama, mas em casa consigo ter um ambiente confortável, familiar e ao mesmo tempo com uma boa estrutura.

Flexibilidade de local de trabalho

É incrível quando você se dá conta de que pode trabalhar de diversos lugares. Basta ter uma boa conexão com a internet e a coisa acontece. Além de casa também já trabalhei em cafés, espaços de co-working, livraria de shopping, avião, casa de amigos e até no meio de um jardim com vista pra um vale.

Possibilidade de fazer atividades diferentes nos intervalos

Imagina poder aproveitar um intervalo para ir até a praia. Isso não faço porque não moro no litoral :), mas é excelente poder usar o tempo livre para fazer uma atividade física, resolver algo na rua ou mesmo tirar um cochilo.

Economia de tempo com deslocamentos

O tempo que levo após tomar café da manhã e chegar no trabalho é de aproximadamente 10 segundos. Pra quem gasta um tempão no trânsito pra ir ao trabalho isso faz uma diferença considerável.

Redução de custos com alimentação e transporte

O trabalho em casa resulta em economia financeira, seja por não precisar de transporte, não precisar comprar roupas pra trabalhar ou mesmo poder fazer as refeições em casa.

Proximidade da família

Para muitos esse é um dos melhores benefícios. Depois que o meu filho nasceu eu aprendi dar muito valor a essa oportunidade.

Nem tudo são flores

Está tudo muito bom pra ser verdade e obviamente temos o outro lado da moeda. Alguns fatores negativos foram surgindo com o tempo e precisam ser considerados.

Trabalho constante (dia, noite, final de semana)

Inúmeras vezes, em algum horário livre, ao invés de fazer qualquer outra coisa eu acabava indo parar na mesa do computador e trabalhando. É um reflexo de que gosto do meu trabalho e também me divirto, mas é importante fazer outras coisas, sair de frente dessa tela, separar para não cair numa rotina workaholic que pode ser prejudicial.

Envolvimento na rotina da casa/familiar

Hoje em dia sou casado e tenho um filho que vai completar 1 ano. Minha esposa também trabalha em casa e é um desafio diário separarmos as coisas. Cumprir o horário de trabalho e realizar as tarefas da casa/filho sem interrupções. É importante que as pessoas que vivem com você entendam que apesar de estar lá fisicamente, muitas vezes você não está livre.

Curva de aprendizado mais lenta

Na área em que eu trabalho (e em várias outras) é preciso estar estudando e se atualizando a todo momento. Uma característica essencial pra se dar bem nesse formato é ser autodidata. Sempre tive que correr atrás de conhecimento "sozinho". Pra preencher essa lacuna faço cursos online, participo de eventos online e estou sempre lendo alguns artigos. Não ter essa troca de conhecimento imediata e constante com pessoas do trabalho é hoje em dia uma das principais desvantagens na minha opinião. Muitas vezes preciso pesquisar bastante pra encontrar soluções ou respostas que poderia rapidamente obter com os colegas ao lado, além de novas ideias e sugestões. Essa troca diária de experiência faz muita falta.

Rotina solitária

Um outro fato inegável na minha vida. Essa rotina trouxe isolamento. Tanto no âmbito profissional, de poder fazer mais network, como no pessoal. Estar o dia todo e todos os dias dentro de um quarto sozinho, com o tempo começa a pesar. Eu já tentei trabalhar em outros ambientes fora de casa, mas por não ter a mesma infra-estrutura e conforto que tenho no home office, preferi continuar em casa. As reuniões são oportunidades de sair um pouco, conversar e ver pessoas, mas reuniões também estão cada vez mais online. O convívio social acaba ficando um pouco de lado por isso.

Bloqueios criativos

Por mais que estejamos conectados o tempo todo e expostos aos mais variados tipos de informação e estímulos visuais, nada substitui experiências "reais". Principalmente para trabalhar com criatividade e inspiração é importantíssimo ter vivências "outside". Trabalhando remotamente, acaba que quase sempre você está em casa, no mesmo ambiente e isso pode de alguma forma bloquear a criatividade.

No fim das contas

No saldo final de prós e contras, eu vejo no meu caso mais vantagens do que desvantagens. O ideal seria um formato mais "híbrido", onde pudesse alternar o trabalho presencial com remoto. A internet é incrível, mas conviver presencialmente com pessoas ainda essencial para a nossa história e experiência de vida.

De qualquer forma vale a pena e é uma vivência interessante, mesmo que temporária. Os nômades digitais estão aí se popularizando, quebrando paradigmas e encontrando diferentes caminhos pra exercer suas profissões. A questão é buscar o equilíbrio e acima de tudo trabalhar com algo que gosta, que motiva, pois é o que passamos fazendo por grande parte do nosso tempo. Trabalho remoto é real, é tendência e estilo de vida.