o processo de kafka é um livro de merda e no fundo você também sabe disso

quero ser breve. metamorfose é um livro lindo, de verdade. eu quase chorei lendo essa porra. talvez porque eu me veja como uma barata. um verme social. um parasita familiar. mas até ai que se foda.

o ponto é que kafka é um bom escritor justamente por essa obra sensacional e ponto. o motivo do cara virar uma barata não importa. a questão é subjetiva, é intima e é ai que a obra ganha esse tom lírico e caótico. um inseto não é um humano, é apenas um objeto de repulsa. exercício sádico de nossa natureza munida de chinelos ou qualquer merda que você consiga reproduzir aquele “crack” ao esmaga-lo. logo, gregor samsa é a personificação do não pertencer, do lixo, mesmo com toda a sua obediência perante ao mundo. no fundo, seu maior erro foi não perder sua sensibilidade. bom, acho que esse deve ser o erro de todos nós.

seria um animal se a musica o comovia aquele ponto?

sem mais de longas, vamos pro processo.

kafka não terminou de fato essa porra. o livro é um amontoado de textos oníricos que o escritor guardava e não pensava em publicar. seu ultimo pedido, feito para seu bom amigo max brod, foi que todo seu material não publicado fosse queimado. por isso o livro saiu só depois de sua morte. por isso max é um vacilão e não queimou essa merda e agora temos toda uma sociedade que escova os dentes antes de enfiar o livro inteiro até o fundo da garganta no melhor estilo deepthroat.

se você leu o livro e pagou um pau, eu realmente sinto muito.

se você ainda não leu, não leia.

se você leu e não gostou, espero que seja pelo motivo certo.

imaginemos que eu, um babaca qualquer que mau sabe escrever com L ou com U, escreva um livro ao qual o personagem não tem motivos evidentes para tomar decisões, todas as mulheres do romance querem, por alguma motivo, dar a xota para ele e, principalmente, passe por situações sem sentido nenhum, exatamente como um sonho. SIM, UM SONHO! eu te diria. eu sou genial por escrever um sonho.

veja, meu amigo, não questione demais essas coisas que não fazem sentido no livro. veja as imagens que as páginas te passam. veja como eu descrevo toda a cidade e as casas e quartos e pessoas antes de ir para o primeiro julgamento. você não precisa entender porque eu morro, ou melhor, entenda. entenda o que você quiser. use freud ou lacan, a biblia, use sua relação com a namorada ou com o sistema capitalista em que vives. só não tente encontrar sentido nos personagens superficiais e no desenrolar da história, certo certo?

ok. você provavelmente me mandaria tomar no cu. ta pensando que eu sou otário, porra? você sairia andando e nesse momento de desgraça para com a minha humilde obra eu toco seu ombro e digo: cara, é brincadeira. olha aqui, esse livro é do kafka. viu só? não é meu não. é kafka.

só alegria. nesse momento você entende a genialidade do livro. pede desculpas. compra. tira uma foto e posta no insta e ensaia o seu discurso para a mesa do bar. tem que mostrar que você é intelectual e não lê só os beatniks, porra.

heehihihihbdjcaksdmldcvjns

a gente tem que aprender a separar a obra do autor. tem que ser coerente. se um livro é bom só porque tem o nome do maluco na capa, a gente ta fodido.

é a mesma história do dentuço do thomas pynchon. um monte de merda envolvida em mistério. vão todos pro caralho.