Demasiadamente Humanos

Porcos são inteligentes e afáveis. Uma pena que sua carne saborosa esteja tão entranhada em nossa história e nossa cultura. Acho que se tivéssemos um pingo de vergonha na cara, eu inclusive, seríamos todos vegetarianos. O que se faz com os animais ditos se abate é uma chacina, um holocausto imoral e criminoso. O que se come é um misto de estresse, rações hiperproteicas, privação de sono, antibióticos e hormônios. Para culminar em uma morte vexatória e cruel.

Por isso talvez a “petificação” de porquinhos, ainda que em miniatura, ainda que geneticamente modificados, a meu ver, é um caminho ruim. Nossa clemência não deveria ser específica (na acepção da palavra), mas generalista.

E não há somente a opção vegana.

Há produções humanitárias, que se não resolvem o problema (o bicho acaba morto e comido, mesmo), são um avanço.

Mais para frente, clonaremos órgãos e músculos em laboratório, e será mais barato que criar animais no pasto ou em reclusão; da mesma forma, a introdução maciça de larvas e insetos e crustáceos criados em cativeiro. na dieta humana poderá ser uma solução para a fome onde for necessário, e uma nova culinária terá de nascer.

Marco zero em propor um novo paradigma estão as novas leis de um sem número de países que consideram baleias, golfinhos, chimpanzés e bonobos, gorilas e até alguns tipos de atum como seres senscientes: pessoas não-humanas perante a sociedade.

E por que não os cachorros e gatos, então. Basta conviver com eles para notar que possuem personalidade, gostos, tiques e maneirismos. Não seriam pessoas também?

O que define uma pessoa, afinal? Cultura, linguagem, sociedade, blá-blá-blá… Mas em relação ao espaço-tempo? Ao infinito? Ao agora?

Que encham o mundo de miniaturas de bichos se for para desenvolvermos novas relações de respeito para com eles. Senão, não.

http://revistagalileu.globo.com/Sociedade/noticia/2015/10/cientistas-chineses-estao-vendendo-mini-porcos-geneticamente-modificados.html