O preá

Devia ter uns dez anos de idade, quando muito, à época em que ajudávamos meu avô Jacobus, todos os anos, a queimar o campo na chácara.

Eu sei, a ciência hoje diz que é errado, mas no caso dele tinha explicação.

Um dos primeiros trabalhos que foram ofertadas a seu pai,o açougueiro Jan Hendrik, de Haia, quando chegaram ao Brasil em 1920, foi fazer “a queimada” na propriedade de outro colono holandês, nos primórdios de Carambehy, no Paraná.

Para quem não conhece, Carambeí é hoje uma próspera cidade, terra da Batavo, de muita agricultura e pecuária, mas também rica em História, com seu parque temático da colonização.

Queimava-se o campo para que ele nascesse de novo, possibilitando ao gado voltar a pastar. Com o mato alto, havia o perigo da combustão acidental, afetando capões de mato e as próprias chácaras incipientes. A queimada permitia o fogo controlado, através da capinação de potreiros – espaços livres de mato entre este e as árvores e casas.

Mas não daquela vez. O vento viera, a inexperiência construira potreiros pequenos demais, e as terras do vizinho arderam por um dia e uma noite, até a chuva chegar, levando com ela as já combalidas reservas dos van Wilpe, e determinando o futuro de Jacobus, forçado a procurar emprego fora de casa já aos quinze anos.

Jacobus tinha medo de incêndio, além de acreditar na necessidade e eficiência das queimadas. Eu, de minha parte, aos dez anos de idade já era craque. Tanto que pouco tempo mais tarde, com a morte de meu avô, assumi uma primeira queimada sozinho, auxiliado apenas por uns piás, filhos do caseiro doente.

Mas na história que quero contar, meu avô ainda vive, minha Oma também, e até minhas mãe e irmã ajudavam na empreitada.

Subitamente, ao queimarmos o mato do miolo da chácara, dentro da sede e em frente às lagoas, surge de dentro da névoa e da fumaça um bichinho, um preá.

Disposto a fazer graça, corri em direção a ele, e perto do poço, no meio da praça da sede, com aquela criançada toda em volta me observando, meti o pé num chute, pensando que não iria, jamais, acertar.

Qual o quê. Rachei o nariz do bicho em dois, pegando em cheio e de frente, mandando-o pelos ares por uma dezena de metros, onde quedou-se, silente, morto para sempre, RIP (in peace, com o perdão do pleonasmo).

Corri para lá, mas não havia o que fazer. Não mesmo. Criança, eu chorava como tal, sob as zombarias e gozações da gurizada da chácara.

  • É só um ratinho! – diziam.
  • Ma’ que Mané bocó! Esses bicho aparece morto todo dia por aí.
  • Vamos fazer um churras desse aí.

Não deixei.

Demo-lhe um enterro cristão, lá no meio dos cedros, e as lágrimas continuavam escorrendo, para minha vergonha, perante a piazada. Minha irmã, peque-nina, sensível, chorava também.

Depois não me lembro bem quem me falou, se foi minha mãe ou meu avô, que a lição era “pensar melhor antes de fazer as coisas”. Verdade.

Para mim, contudo, havia outra descoberta por trás: o respeito à vida. São desta mesma época, tardia, alguns de meus piores pesadelos e temores; cada gatinho ou cachorro morto na estrada ou na rua, me deixava desolado, cada novo pet um recado de minha própria mortalidade.

Como antídoto, colhia histórias dos mais velhos, numa tentativa vã de imortalizar essa memória em mim mesmo, fazer viver pra sempre aqueles de quem eu vim, especialmente os que nunca cheguei a conhecer por me precederem.

Coisa muita louca pra um piá de dez, doze anos pensar, não? Mas eu era assim, é pra entender tudo isso me enfiava nos livros feito um possesso, dois ou três por dia, emprestados da Biblioteca Pública Bruno E MARIA Enei.

Quanto ao amor aos seres vivos e o respeito à tudo que vive, um dia minha outra avô, a Keka, um dia me falou:

  • Você sempre foi assim: tirava as formiguinhas do meio do caminho lá em casa, para ninguém pisar.

Por isto não entendo a tal caça esportiva. Se for para comer, dentro de uma tradição cultural, com limites e respeito, acho melhor que os matadouros da criação tecnológica atual. Mas caçar animais protegidos, burlando leis internacionais, usando de métodos escusos… Quão monstro é o tal dentista americano? Quão monstro é este mundo em que vivemos, onde a morte de um leão (famoso, ok) ou cinco rinocerontes é notícia?

Ou seja: está tudo por se extinguir, por se acabar, e há idiotas suficientes para ir até lá matar o que sobrou? É isto mesmo ou o idiota sou eu?

Pare o mundo que eu quero descer. Vou pra Kepler 432c, o tal planeta gêmeo da Terra, que aqui está tudo às avessas.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.